14 de Setembro de 2015

A Minha Bienal do livro

Oi pessoal, tudo bem?

O Blog ficou abandonadinho na semana passada e eu juro que isso não vai mais acontecer. O motivo foi especial – a Bienal do Livro do Rio de Janeiro. Essa foi a minha primeira experiência como autora no evento e foi totalmente incrível.

Para quem não sabe, sou um pouco tímida e no primeiro dia, sofri um pouco com isso. Tinha chegado depois do almoço, na segunda-feira do feriado. Durante a manhã tinha ido assistir ao Encontro, com Fátima Bernardes – mas que não tinha sido apresentado por ela – e já tinha ficado feliz ao presentear a atriz Marina Ruy  Barbosa com o meu livro.

Marina Ruy Barbosa

Já na Bienal, não sabia muito bem o que fazer. Me apresentar para possíveis leitores? Esperar quem já me conhecia vir falar comigo? Entregar o primeiro capítulo da minha história para quem passava? Optei pela terceira opção, entregava sem dizer nada. Ou seja, aquelas pessoas nem mesmo sabiam que aquela história era minha.

No segundo dia,  fui para ficar. Não dava para fazer a viagem Recreio-Niterói todos os dias, seria cansativo demais. Por isso, fiquei em um apartamento na Barra com outras duas amigas escritoras – A Marcia Rubim e a Carol Estrella. Continuei sem saber o que fazer e segui aquela mesma entrega de primeiros capítulos, sem dizer nada mais. Algumas pessoas se interessavam e voltavam para levar o livro para casa. Só descobriam que eu tinha escrito, quando as meninas queridas que ficavam no caixa diziam para elas.

– Mas você não pode fazer isso, Fê! – avisaram minhas amigas quando saímos para jantar no final daquele dia. – É importante conversar com as pessoas, contar um pouco da história e dizer que você é a autora.

Como faria aquilo? Quase não consegui dormir naquela noite pensando no dia seguinte. Precisava deixar aquela timidez de lado e apresentar o meu trabalho que construí com tanto carinho para que as pessoas pudessem conhecer. Afinal, ninguém ali tinha uma bola de cristal para saber se valia a pena ou não olhando apenas uma capa.

Fui decidida. Naquele dia, deixaria a Fernanda tímida de lado e conversaria com todas as pessoas que demonstrassem certo interesse. E foi naquele dia que a Bienal começou de fato para mim. Ah, como foi gostoso ver tantos olhinhos brilharem quando eu dizia “eu que escrevi essa história”. Foram tantas fotos, tantos autógrafos e tantos novos leitores levando a Mila para casa, que meu coração explodia de felicidade.

Bienal do LivroAlém dos novos leitores que ganhei, foi delicioso conhecer pessoas que já tinham lido meu livro e que passaram no estande da Editora Valentina para me conhecer pessoalmente, tirar uma foto comigo e conversar sobre o “nosso verão”. Era tão divertido e emocionante ouvir pedidos sobre o destino dos personagens e também perceber como tantas pessoas não veem a hora de segurar o outono da Mila nas mãos.

E por falar em pessoas especiais, uma menina fofa chamada Sophia tornou a minha Bienal ainda mais especial. Era o segundo dia que ela passava por lá. No primeiro, não conseguiu me encontrar e implorou ao pai para que eles voltassem no meu dia oficial.  O motivo? Ela queria brigar comigo pela demora para sair a continuação da série.

“Já li o Ah, o verão! cinco vezes. Não vejo a hora de ler a continuação”.

bienal 1Expliquei que o Folhas de Um Outono vai sair em março do ano que vem. Demorei um pouco para entregar na Editora Valentina, pois queria entregar um livro perfeito. Só enviei para o meu editor quando fiquei completamente satisfeita com a história e com o desfecho dos personagens.

Mas não foi apenas para brigar comigo que a Sophia passou lá. Ela também pediu uma dedicatória no livro e me deixou emocionada dizendo que eu era sua escritora favorita e pedindo mais um abraço. Carinhos como esse, não existe nada que seja melhor. É o que faz tudo valer a pena.

Foram dias de muito engarrafamento para chegar em “casa”, dor nas costas, nos braços, nas pernas, saudades do marido…  Mas nada disso importa, quando lembro do olhar de uma menina ao dizer que eu era escritora do livro que ela estava mostrando para as amigas. Ela deu um grito e ficou emocionada, disse que tinha amado o verão da Mila, que era um dos seus livros favoritos e me abraçou.

Bienal 3

 

Conhecer novos leitores e encontrar outros como a Sophia, foi realmente incrível e inesquecível. Voltei para casa com o corpo dolorido, completamente sem voz, mas com o coração cheio de alegria. Escrever é a coisa que eu mais amo fazer na minha vida. Sem nenhuma dúvida, essa é a minha grande paixão. E poder sentir na pele o resultado desse meu amor, é inexplicável.

Bienal 2

Vou guardar na memória cada rostinho, sorriso e elogio. E também vou torcer para que todos que tenham levado a Mila para casa vivam um verão inesquecível! <3

Veja mais posts sobreBienal Bienal do livro leitores livro livros