20 de Abril de 2016

Bela, recatada e “do lar”

Confesso que ainda não tinha visto a triste matéria da Revista Veja com a esposa do vice-presidente Michel Temer até que um tal de “Bela, Recatada e “Do lar”” explodisse nas redes sociais. Comecei a ver amigos postando fotos com essa legenda e fui buscar no Google o que é que estava acontecendo. Quando vi o título da matéria, a foto, antes mesmo de ler o texto, já  senti uma pequena fúria dentro de mim. Mas depois de ler o “conteúdo” – será que dá para chamar assim? – quase senti vontade de vomitar.

Do jeito que o mundo está doido, é melhor avisar desde já que o problema não é a matéria com a esposa do Temer. Não. O que dá nojo é o conteúdo machista do texto que, para piorar tudo, foi escrito por uma mulher. É de fazer sentar e chorar.

Bela, recatada e do lar

“Marcela Temer é uma mulher de sorte. Há cerca de oito meses, por exemplo, o vice-presidente, de 75 anos, levou Marcela, de 32, para jantar na sala especial do sofisticado, caro e badalado restaurante Antiquarius, em São Paulo.”

“Marcela é uma vice-primeira-dama do lar. Seus dias consistem em levar e trazer Michelzinho da escola, cuidar da casa, em São Paulo, e um pouco dela mesma também (nas últimas três semanas, foi duas vezes à dermatologista tratar da pele).”

” Em todos esses anos de atuação política do marido, ela apareceu em público pouquíssimas vezes. “Marcela sempre chamou atenção pela beleza, mas sempre foi recatada”, diz sua irmã mais nova, Fernanda Tedeschi. “Ela gosta de vestidos até os joelhos e cores claras”

“Michel Temer é um homem de sorte.”

Quer dizer então que se um cara tem uma namorada que trabalha, que gosta de empreender, que vai ao bar com as amigas e bebe cerveja, que gosta de usar a roupa que sente vontade, é um pobre coitado? A sorte é do homem que tem uma mulher cuidando das coisas em casa, levando e trazendo o filhinho da escola e passando horas no salão de beleza?

Me dá nojo pensar que uma revista quer vender o conceito de que o lugar da mulher é apoiando o seu marido e ficando “escondida”, praticamente deixando de existir.

Na minha opinião vivemos já em uma sociedade que tanto a mulher quanto o homem possuem a liberdade de escolha. Se possuem condições financeiras para não trabalharem e se for esse o desejo de ambos ou de um dos dois, que seja. Se a mulher quer correr atrás de um cargo de chefia, que ótimo para ela. Se a outra quer se dedicar ao prazer e dificuldades de ser mãe e dona de casa, que maravilha! Se quer usar vestido com comprimento até os pés, até o joelho ou até o finalzinho da bunda, é um direito de cada uma. E ninguém é melhor ou pior por isso. São apenas escolhas.

Mas não admito que um veículo de comunicação queira empurrar um conceito de mulher ideal e de um homem de sorte tão machista como esse da Revista Veja. É tosco. É nojento demais. Em um momento em que as mulheres estão conquistando cada vez mais novos espaços e vitórias é vergonhoso dizer que ser “bela, recatada e do lar” é o que faz a mulher ser especial.

Sério, gente!!!!! Não dá.

Não se deixem influenciar pelo conto da princesinha a não ser que seja o seu sonho ser uma. Continuem buscando realizações, projetos, empreendimentos, cargos de chefia. Não deixem de ir ao bar, de beber uma cervejinha gelada, de assistir ao futebol se gostarem tanto disso como eu. Continuem gostando de sair com as amigas, ou amando cuidar da casa, ou cozinhando por prazer.

Ninguém é mais mulher ou menos mulher por nenhuma de suas escolhas. O que faz com que uma mulher seja melhor ou pior é o que também faz o homem: o caráter. Tirando isso, você pode usar a roupa que quiser, sair para o lugar que bem entender, beber o que tiver vontade, cuidar do que você achar melhor e ninguém mais tem nada com isso. Seja bela, recatada, do lar, da noitada, dos amigos, do jantar romântico. Seja linda, leve, solta. Seja apaixonada, casada, solteira, viúva, separada. Seja dona de casa, empreendedora, chefe de uma empresa. Apenas seja o que você quiser. Sempre. E seja feliz.

Veja mais posts sobreBela Machismo Machista mulher Recatada e do lar Revista Veja