30 de Julho de 2017

Creme que escolhi para evitar estrias na gravidez

Um grande fantasma na gravidez são as estrias. Lembro que logo na minha primeira consulta com a obstetra ela já passou uma lista de cremes indicados para esse probleminha durante a gestação. Mas ela também deixou claro que a genética é muito importante nesse momento, pois quem tem tendência a ter estria, não vai ter creme milagroso que resolva.

Além da lista da minha médica, fui conversar com amigas que tiveram filhos recentemente, para saber quais cremes elas usaram e se tinha funcionado. Também busquei relatos e opiniões de outras grávidas pela internet.

Duas amigas minhas disseram que usaram um creme de ureia e que tinha sido maravilhoso, pois não deixou nenhuma marquinha na barriga, nem seios delas. Hummmmmm… Gostei demais daquelas informações e fui atrás do creme indicado por elas. Comprei e fui feliz da vida para casa.

O que deveria ter feito antes de comprar, acabei fazendo apenas depois. Escrevi no grupo de gestantes da minha obstetra – ela criou um grupo maravilhoso no Whatsapp com todas as grávidas dela – sobre o creme que havia comprado e umas duas meninas falaram que era melhor eu ver com a médica antes de usar, pois dizem por aí que ureia não é muito legal na gravidez.

Enquanto a minha obstetra não respondia, fiquei fazendo pesquisas no Google e vi que realmente a polêmica sobre isso é grande. Alguns dizem que a quantidade no creme é bem pequena e não tem problema usar. Outras pessoas dizem que não é uma fórmula ideal para gestantes. Na embalagem do produto tem um aviso mandando consultar o médico sobre o uso.

Quando a minha médica respondeu, ela disse que não existem ainda estudos que realmente proíbem a substância para o uso de gestantes, mas ela disse que sempre existe o risco de chegar até o bebê. Ela recomendou o uso de cremes próprios para grávida, pois esses já possuem todas as substâncias testadas e aprovadas para gestantes.

Segui o conselho dela e guardei o creme que já tinha comprado e que possui o prazo de validade para o final do ano que vem – vai dar para usar depois que a Julinha nascer. Resolvi fazer mais uma pesquisa com outras amigas grávidas e escolhi um outro creme – próprio para gestantes – indicado e muito elogiado por elas – Mustela.

Já estou usando há três meses e agora que a minha barriga realmente começou a crescer, ainda não nasceu nenhuma estria – e espero que continue assim até o final. Muitas grávidas relatam que já nos primeiros meses começam a ter estria nos seios e na parte de baixo da barriga, mesmo passando muitos cremes. Acho que tanto a escolha de um bom produto e de uma pele mais elástica é que fazem com que essas chatinhas não apareçam. Mas se aparecer também, o melhor é relaxar e cuidar depois que o neném nascer. Algumas marcas não são tão ruins quanto outras e as rugas de alegria no rosto e as estrias da gravidez são dessas que não vou me importar se aparecerem na minha vida.




Veja mais posts sobrebeleza estria estrias gravidez tratamento
09 de Junho de 2017

Diário da Gravidez – Emagreci sete quilos

Já tinha mais ou menos um ano que eu ficava fazendo tentativas de reeducação alimentar, mas sempre caía em tentação e voltava a comer um docinho aqui, outro ali… Pizza quase todo final de semana e por aí vai. Sem contar aquela cervejinha com os amigos, não é mesmo? Mas depois da gravidez, tudo isso mudou. Quando nós descobrimos que tem alguém crescendo dentro da gente, uma pessoinha que está se formando e que depende apenas da gente para se desenvolver cada dia mais… Tudo muda nas nossas vidas. E foi assim que em quatro meses eu emagreci sete quilos.

Uma das coisas que sempre tive muito claro na minha cabeça era que eu não engravidaria de maneira nenhuma enquanto não me sentisse pronta para isso. Queria que tanto eu quanto Vinicius estivéssemos no mesmo momento, com as mesmas vontades, dispostos a viver grandes mudanças em nossas vidas com a chegada de um novo alguém. Não queria engravidar porque todo mundo cobrava por isso desde que nos casamos e nem mesmo pelo passar do tempo e da idade. Acho que para viver uma grande mudança como essa, é necessário muito mais do que pressão ou tempo. É preciso construir um amor e uma vontade muito grande de viver desafios, medos, sonhos, alegrias com mais uma pessoa nas nossas vidas.

Desde que eu tinha ido na clínica geral, no final ano passado, até o momento de realmente conseguir engravidar, eu já tinha perdido dois quilos. Mesmo assim estava acima do peso, não estava me cuidando como deveria – e queria -, me enganava muitas vezes dizendo que já estava fazendo o suficiente para perder peso e cuidar da saúde… Quando nem esforço estava fazendo.

Ah, mas foi só descobrir que estava grávida para que tudo mudasse! Já na primeira consulta eu falei para a minha obstetra: Acho que vou emagrecer um pouco nesse início. Ela disse que “esse não é o momento de fazer dieta”. Claro que não é! Mas eu sabia que não teria mais coragem de comer a quantidade enorme de besteiras que estava comendo e que por isso, seria inevitável perder peso.

De qualquer maneira, para não fazer nada errado, fui em uma nutricionista de grávidas e conversei sobre tudo que eu comia até então e pedi uma orientação para uma reeducação alimentar. Passei a me alimentar de uma maneira muito mais saudável, com diversos tipos de frutas, cortei os sucos, acrescentei fibras, legumes, verduras que nunca comia e cortei doces, gorduras e frituras ao máximo. É claro que também eliminei as cervejinhas e os vinhos.

O resultado? Emagreci sete quilos em três meses. Não diminuí a quantidade de comida, mas passei a me alimentar muito, muito melhor. Passei a me sentir mais bem disposta e até mais feliz. Senti mudanças no meu corpo e mesmo com a barriguinha crescendo, as roupas que não cabiam mais em mim há algum tempo, estão servindo todas agora.

Por isso eu sempre tive muito claro na minha cabeça a importância de saber o momento certo de engravidar. O momento certo é aquele que estamos dispostos a mudar de vida sem que isso seja um peso, problema, um fardo para carregar. A minha reeducação alimentar não foi nenhum sacrifício, fiz com alegria. E sempre que eu como uma coisinha ou outra “mais gordinha”, não fico nem com vontade de comer mais um pedaço. Na verdade, parece até que já não gosto mais de nada daquilo como eu gostava antes. Agora, tenho uma coisinha muito maior que tudo isso e que me faz ter um prazer danado de buscar ser uma pessoa melhor a cada dia que passa.

Não emagreci sem orientação e nem mesmo fazendo dieta. Além da obstetra, fui na nutricionista para fazer tudo certinho. A reeducação alimentar está me deixando mais saudável, disposta e pronta para os próximos meses que vão vir por aí. Hoje foi dia de consulta e a minha obstetra – que é a mais fofa do mundo, Priscila Pyrrho – ainda disse que eu ganhei estrelinha (risos), pois mudei realmente para melhor desde que a Julia chegou na minha vida.

Veja mais posts sobre Diário da gravidez emagreci gravidez reeducação alimentar Saúde