03 de Novembro de 2017

O quarto da Julia – Papai colocando a mão na massa

Quando soube que estava grávida, todos os meus sonhos de quarto de bebê vieram com força. Vinicius já sabia e concordava com o que eu queria fazer. Como ele é arquiteto, assim que vimos as duas marquinhas no teste de gravidez, ele já sentou no computador para começar a sonhar e desenhar.

No dia que descobrimos que era uma menina, o quarto foi ganhando realmente um formato. Sabia que não queria as paredes nem rosa nem lilás. Também não queria nada muito princesinha. A minha ideia de quarto ideal era realmente algo que despertasse a imaginação dela, mas sem ser muito “conto de fadas”.

Não sonhava com uma decoração específica, mas sabia que queria a caminha no chão e também desejava que tivesse uma parte lúdica, para que ela possa sonhar e imaginar histórias e cenários.

Dito isso, Vinicius ficou alguns dias no computador, sem querer me mostrar as ideias que estava desenvolvendo. Até que um dia ele me chamou e falou: “Vem ver o que você acha”. E aí eu morri de amores por ele mais uma vez – como isso é possível?

Com o passar das semanas, ele ia acrescentando umas coisas e tirando outras e a gente enrolou bastante até bater o martelo e fechar de uma vez a ideia do que queríamos. Quando isso aconteceu, fomos em uma loja de móveis personalizados e também entramos em contato com alguns marceneiros para pedir orçamento daquele projeto que tínhamos planejado com tanto carinho.

Bom, além de um preço muito maior do que tínhamos pensado em gastar com a caminha e a estante do quarto, o prazo de entrega era longo demais – 90 dias. O que fazer? Vinicius resolveu ser definitivamente o “Super-Papai” e além de desenhar, ele também foi comprar as madeiras, tintas, lixas e serras para fazer ele mesmo o projeto do quarto da Julia.

Não preciso falar que fiquei emocionada com cada etapa dessa fase, não é mesmo? Tanto a estante quanto a caminha foram totalmente feitas pelo Vi. Desde o desenho até a parte de colar na parede. E desde então – ainda não vou mostrar as fotos, pois o quarto da Julia ainda não esta pronto, mas depois vou mostrar tudo com detalhes para vocês -, sempre que abro a portinha do quarto dela me sinto feliz e cheia de amor.

Mais uma vez – como falei outro dia sobre o chá -, fazer as coisas foi muito mais marcante e gratificante do que comprar tudo pronto. Além de ter feito todo o processo e de olhar as nossas ideias bem ali na parede, sentimos que o quarto da Julia transborda amor. Vou ter orgulho de contar tudo isso para ela e espero que ela ame o cantinho que fizemos com todo o carinho do mundo.

Veja mais posts sobrecomprar ou fazer DIY mão na massa papai quarto da Julia
17 de Outubro de 2017

Fazer ou comprar? – Diário da Gravidez e o Chá de bebê

Decidir entre fazer e comprar não é uma escolha apenas do período da gravidez, deveria ser pensada em todos os momentos da vida. Muitas vezes optamos pela “facilidade”, pelo jeito mais cômodo e – é claro – mais caro de tudo. Mas para quem pensa que esse é o único jeito, está enganado. Você também pode colocar a mão na massa e fazer aquilo que parece caro demais para comprar.

Recentemente nos deparamos com uma dessas decisões: o chá de bebê. Confesso que estava pensando em não fazer nada, porque não tinha espaço para chamar todos os amigos e família, não estava ainda com muita energia – depois da apendicite – e não estava com toda aquela animação para uma festinha. Mas minha madrinha, prima, o Vi e os amigos mais próximos (malas) começaram a dizer que eu tinha que fazer uma comemoração depois de tudo o que vivi, que a Julia merecia aquele carinho. Acabaram me  convencendo e me ajudando.

Quando decidi que faria um pequeno chá, minha mãe logo sugeriu que a gente contratasse um buffet, para não ter trabalho nem dor de cabeça. Chegamos até a ver os preços, mas eu não estava muito animada com aquela ideia. Além de caro, era como terceirizar a festinha. Eu apenas chegaria no dia para comer, conversar com amigos e pronto. O buffet se encarregaria de todo o resto – salgadinhos, doces, bebidas e decoração.

Mais cômodo? Claro! Só que seria mais sem graça também. Já que era para fazer uma “coisinha” para a Julia, queria que fosse um fazer de verdade. Envolvi todo mundo que quis ajudar e larguei o buffet pra lá. Uma amiga me ajudou com dicas de decoração e com louças maravilhosas que deram todo um charme para a mesa de doces – ela tem uma empresa de decoração de festas com uma proposta MUITO legal!!! Não deixem de seguir no Insta Agora_Quero!!  -, minha prima (e a sogra dela que é maravilhosa!!!) me ajudou com decorações fofas, minha madrinha fez todos os doces enroladinhos e Vinicius fez todos os doces de copinho, brownies e Cupcakes. Eu fiz cachepôs para as florzinhas da mesa e também decorei as colherzinhas dos doces de copinho. Fomos fazendo tudo do nosso jeito e cuidando com carinho da primeira festinha da Julia.

Foi cansativo? Foi. Mas deu muito mais  satisfação, prazer e emoção do que se tivesse comprado tudo pronto. Eu chorava – ah, esses hormônios!!!! – a cada cachepô pronto. Era como se me sentisse cada vez mais envolvida com a Julinha, como se estivesse fazendo tudo aquilo para ela e isso não tem preço. Acabamos de preparar tudo quase duas horas da manhã. Estávamos mortos de cansados, mas muito emocionados e felizes.

No dia seguinte, acordamos cedo para arrumar tudo no salão. Minha prima e minha mãe vieram ajudar Vinicius com tudo, pois como eu tinha um mês de operada, não podia fazer muito. Senti uma emoção enorme ao ver a animação deles para deixar tudo lindo! E realmente ficou.

Infelizmente, não consegui chamar todos os meus amigos mais próximos e nem mesmo a família. Foi um chá realmente para os que estão todos os dias com a gente para comemorar a minha recuperação. Mas com certeza não daria conta de um espaço maior, um chá para muitas pessoas, pois estava muito cansada. Fizemos algo para não passar em branco e para celebrar as vitórias! =)

Com o carinho de todos que amam a gente o chá foi delicioso. O bolo foi da Beira Mar – Meu Deus… Que bolo mais deliciosooooooooo!!!!!!! Recomendo para todo mundo. O que escolhemos foi o Prestígio e estava incrível. Os salgadinhos foram da Maria Masseira, que eu também recomendo MUITO, pois estavam deliciosos e foram um sucesso!! Tanto do bolo quanto dos salgadinhos as entregas foram super pontuais e estava tudo muito gostoso. E todo o restante da festa foi por nossa conta.

Satisfação maior não existe. Quando as pessoas chegavam e falavam “nossa! que linda a mesa de doces!!” Um sorriso transbordava nos nossos rostos e nos nossos corações. E isso é uma coisa que eu vou querer levar para toda a vida da Julinha. Até hoje lembro de todos os meus aniversários de criança, sempre feitos pela minha mãe e sem nenhum buffet ou coisa do tipo. Quero que a Julia cresça sabendo o quanto o amor é maior que o dinheiro e o quanto o carinho de todos que ajudam é especial. Fazer realmente foi bem melhor que comprar.



Veja mais posts sobre chá de bebê Diário da gravidez fazer ou comprar festinha