17 de Novembro de 2017

Nem tudo acontece como planejamos

Que semana! Realmente nem tudo acontece como planejamos, mas isso só nos ensina a ser mais fortes e a aceitar que não estamos no controle de tudo. Precisamos relaxar e aprender com os acontecimentos. Desde o início da gravidez eu ficava pensando: Quando chegar ao final, vou me concentrar mais em mim, relaxar mais, ouvir músicas calmas no final de todos os dias e me conectar comigo mesma.

Cheguei na semana 39 na segunda-feira! A semana que eu mais imaginava viver momentos dignos de um Spa. Água quente nos pés, as músicas que escolhi para o parto, noites tranquilas como eu vinha tendo até então. Eu só não imaginava que assim que entrasse nessa semana, tudo seria diferente.

Valentina começou a acordar várias vezes na madrugada precisando ir ao banheiro – ei, eu é que tinha que sentir essas vontades!!! – e na madrugada de quinta-feira ela acordou várias vezes para vomitar. Acordamos junto com ela todas as noites e nessa que ela passou mal, ficamos os três acabados, às cinco e meia da manhã estávamos encolhidos no sofá, para não ter que voltar mais uma vez ao quarto e depois precisar sair de novo para socorrer nossa filhinha de quatro patas.

Assim que amanheceu, dia da minha tão esperada consulta com a obstetra, estávamos caindo de sono, mas pegamos a primeira roupa que encontramos no armário e fomos levar a Valentina em uma clínica veterinária. Examina daqui, examina dali, Raio X, Ultrassonografia e um diagnóstico de possível infecção intestinal. Entre uma coisa e outra, só deu tempo de passar em casa, engolir o almoço e correr para a consulta da tarde, a minha consulta.

Nos nove meses, nunca cheguei atrasada, sempre fomos a pé, com tempo de sobra para chegar na maior tranquilidade. Mas não na 39ª semana. Fomos de carro e descobrimos que Niterói estava tendo poda de árvores, fechando algumas ruas e engarrafando muitas outras. Um caminho que deveria demorar no máximo cinco minutos, foi feito em 40. Ah, e decidimos ir de carro não só “para chegar mais rápido”, mas também porque estava TANTO calor, que era melhor me deixar ter pelo menos um pouquinho daquele “Spa” no ar geladinho do carro. Certo?

Errado. O ar do carro resolveu pifar. Isso mesmo!! Exatamente naquele dia, naquele momento. Não poderia ser nem um dia depois ou um dia antes. Teve que ser naquele dia, naquela semana – essa semana. Cheguei no prédio do consultório e os elevadores que sempre estão no térreo, estavam todos nos andares mais altos. Quando um finalmente chegou, olhei para Vinicius e falei “do jeito que o dia está hoje, nada me surpreenderia se ele parar no térreo e lotar”. Maldita boquinha. O elevador, que nos nove meses que fui frequentemente ao consultório sempre subia vazio, foi sendo preenchido de gente. Vinicius me olhou, eu dei uma risada, mas também senti meus olhos encherem de lágrima. Que dia!

As lágrimas nem mesmo chegaram a cair. Chegando mais de meia hora atrasada na obstetra, preferi rir de tudo aquilo que  resolveu acontecer logo no final da gravidez. Na minha provável última consulta, lá estava eu de chinelo, sem brinco, suada, cansada, com a primeira roupa que pesquei no armário naquela manhã. Nem tudo é do jeito que planejamos. Pelo menos a consulta foi maravilhosa como sempre e estamos todos esperando a hora que a Julinha vai resolver conhecer o mundo.

Voltamos para casa, para a Valentina e seguimos com a preocupação. Ela toda molinha, bem diferente da cachorrinha ativa que sempre está animada para brincar com a gente. Que peninha.

Mais uma noite sem dormir muito bem, acordando todas as vezes que ela acordava. Mais uma manhã com ela quietinha, sem disposição. O que fazer? Ir nas clínicas próximas? Claro que não. O que seria dessa reta final da gravidez se não tivesse emoção? Spa? Musicas calminhas? Momentos relaxantes? Pra quem? Resolvi buscar o primeiro veterinário da Valentina, o veterinário que tinha cuidado dela em todo o primeiro ano de vida. Não queria mais ficar conhecendo outros veterinários, queria alguém que já conhecesse um pouquinho dela. E aí descobrimos que ele estava atendendo em Itaipu.

Lá fomos nós. Sem ar-condicionado no carro, com um calor de um sol para cada um. Já estava bom de emoção, não é mesmo? Bom, acho que alguém queria mesmo me mostrar que a vida é um eterno não planejar de coisas, que tudo pode sair fora do lugar, mas que mesmo assim dá certo no final. Eu entendi! Entendi perfeitamente. Principalmente depois de ter um pneu murcho com um prego que o esvaziou no caminho até a clínica veterinária.

Apesar de todas as emoções, conseguimos ter uma avaliação legal do veterinário, remédios que dessa vez fizeram mais efeito e deixaram a Valentina mais animadinha e com vontade de comer de novo. Também conseguimos voltar para casa em segurança e bem.

Perfeita essa imagem que achei no Pinterest para resumir essa semana!

Poderia estar revoltada por não ter tido a semana que eu tanto esperei. Poderia estar nervosa por estar mais cansada e por tudo o que aconteceu. Mas estou feliz. Feliz por ter a nossa cachorrinha ao nosso lado, torcendo para que ela possa melhorar nos próximos dias com os remédios e que volte a ter toda energia de sempre. Tranquila por estar com a pressão do meu corpo ótima, mesmo com toda a alta pressão da semana. E feliz por ter rido no final de tudo, por ter percebido que nesses nove meses eu já evoluí muito como pessoa e que não culpo nada, nem ninguém por não ter o dia perfeito, o dia que eu tinha planejado ter.  Eu realmente aprendi que nem tudo acontece como planejamos e tudo bem.

Veja mais posts sobredesabafo diário gravidez história planejamento
07 de Novembro de 2017

Estar grávida é se despir – literalmente – de todas as vergonhas

Nunca imaginei que me transformaria tanto e em tão pouco tempo com a gravidez. Estar grávida é se despir mesmo de todas as vergonhas que você já teve um dia. Não tem espaço para isso. Você realmente aprende a se doar de corpo inteiro e a se importar muito mais com outra pessoa do que com as suas preocupações e tolices.

Eu sempre fui cheia de vergonha. Fazer transvaginal com um homem? Nem pensar. Caçava um laboratório que tivesse uma mulher no comando. Mas bastou ficar grávida e ouvir “o médico tal é o melhor da área” para não me importar com nada e só querer o melhor para fazer o primeiro exame importante da Julia, que também trazia no pacote uma transvaginal chata como ela só.

Mas é claro que não para por aí…

Enquanto sempre li relatos na internet de grávidas que reclamavam do peso da barriga, de enjoos, azia ou coisas do tipo… Nunca li nada sobre como precisamos “relaxar” e deixar de lado nossos pudores para nos prepararmos da melhor maneira possível para a chegada do nosso “pacotinho”. Pois é… Vida de grávida não é fácil.

Só mesmo na gravidez eu fiquei sabendo que no final da gestação precisava de sol no bico do seio. Como fazer isso quando você mora em um prédio, cercado de outros prédios – e de uma obra que coincidentemente no período que você precisa do tal sol, está na altura da sua varanda e janelas? Você desiste? Claro que não! Amamentação em primeiro lugar. Então, você vai aprendendo a dar um jeitinho e descobre que se cortar uma blusa velha naquele exato lugar, talvez – você nunca terá certeza – ninguém perceba que você está pegando sol bem ali – por que não temos o costume do topless por aqui? Não seria mais fácil?

Ainda existem mais exames nessa reta final. Serão feitos os toques para checar a dilatação – quando necessário -, o assustador “exame do cotonete” – SWAB -, que tirando a vergonha, nada tem de realmente assustador ou invasivo. E também rola aquele medo gigantesco de fazer o número dois na hora do parto – quem já fez ou quem está vivendo o momento do parto normal, provavelmente já ouviu falar sobre isso ou já viveu essa situação.

 

Todas essas coisas parecem mesmo uma grande preparação para a maternidade. Como disse no início, é uma doação do seu corpo, um esquecimento das suas vergonhas, uma preocupação com coisas muito mais importantes do que com seus pudores.

Por isso, nossas mães provavelmente nunca tiveram aquela vergonha de “pagar mico” em momento algum. Porque elas se despiram – literalmente – de várias de suas vergonhas durante os nove meses que nos carregaram em suas barrigas.

E quando chega a nossa vez, aprendemos a nos despir, a não nos preocuparmos se o médico é homem ou mulher, queremos apenas saber se são os melhores. Podemos até ter pesadelos com o número dois na hora do parto, mas vamos em frente e encaramos o desafio. Afinal, queremos o melhor para quem vem por aí. O que são as besteiras da vida depois de tudo isso? Não são nada.



Veja mais posts sobre grávida gravidez vergonhas