25 de Setembro de 2017

Cesariana ou Parto Normal? – O parto que eu quero para mim

Cesariana ou Parto Normal? Há uns três, quatro anos… Antes mesmo de pensar em engravidar, comecei a pensar no parto. Talvez, esse também tenha sido um dos motivos de eu ter esperado tanto. Confesso que sempre morri de medo. Nunca tinha ido ao hospital, muito menos feito uma cirurgia e me apavorava só de pensar nesse tipo de coisa. Tinha pavor de anestesia, sangue e tantas outras coisas que envolvem a gravidez e – principalmente  o parto. Mas quando a vontade de ser mãe veio com força total… Não teve medo que tirasse isso da minha cabeça.

Comecei a pensar no assunto há dois anos. Sabia que não seria algo para aquele momento, mas não queria estar totalmente despreparada quando a tal vontade de viver a maternidade chegasse. Passei a acompanhar blogueiras que falavam sobre esse assunto. Acompanhei diversos tipos de relatos de partos e vídeos também. Ficava nervosa com cada um deles e me perguntava qual seria a minha escolha e se teria coragem de viver algum deles quando chegasse a minha vez.

O que eu não imaginava é que não podemos controlar todas as coisas do mundo. E nunca passou pela minha cabeça que eu viveria uma cirurgia no meio da gravidez, antes de realmente o parto acontecer. Acho que nada acontece por acaso e todo aquele drama acabou me transformando em uma pessoa mais forte e até menos medrosa.

Mas voltando ao assunto do parto…

Quando decidi que estava “pronta” para a maternidade, já tinha na minha cabeça muito bem definido o que eu queria para mim. E assim que engravidei, fui atrás de uma obstetra que tivesse o perfil que eu queria. Encontrei uma PERFEITA – para quem é de Niterói, fica a dica da Priscila Pyrrho <3!!

Já na primeira consulta ela tirou todas as dúvidas que eu tinha na minha cabeça naquele momento e me deixou muito segura. Saí do consultório satisfeitíssima com a escolha da profissional que me atenderia nesse momento mágico e também da minha opção de parto.

Normal ou cesária?

Desde sempre, sabia que queria o parto normal. Como disse antes, tinha medo de hospital e só de pensar em cirurgia… Meu pavor crescia. Quanto mais informações eu buscava, mais entendia o quanto o parto normal é uma escolha mais natural e saudável para a mãe e para o bebê. Tanto que nos Estados Unidos e Europa esse é o parto que mais acontece. A intervenção cirúrgica na maioria das vezes só é realizada se for realmente necessária.

A cada informação, texto, vídeo, relatos… Mais a minha certeza crescia. E assim, depois de muitas e muitas pesquisas, encontrei uma obstetra que realmente respeita a escolha da gestante que faz a opção do normal – a maioria das gravidinhas da Priscila querem esse parto.

Durante todo esse tempo – dá para acreditar que já estou com 32 semanas?! -, depois de responder “parto normal” para quem perguntava “vai querer normal ou cesariana?”, já acostumei com os comentários do tipo: “você é maluca!”, “com o avanço da medicina, podendo ter o filho em menos de meia hora… Não acredito que vai querer ficar sentindo dor”, ” você não sabe como isso é horrível”, “seu corpo nunca mais será o mesmo”, “normal é um retrocesso” e por aí vai…

Confesso que no início, eu respondia todos eles. Chegava a sentir raiva desse tipo de comentário. Mas o tempo passou e eu cansei de retrucar, pois percebi que até na decisão do parto essa nova moda de Fla x Flu de opiniões é o que domina. Então, passei a dizer “ah, é?! Hum…” e pronto.

Sinceramente, não sou aquelas gestantes que levantam a bandeira do parto normal. Essa é uma opção minha e de mais ninguém. Se minha amiga quiser normal também, que legal! E se quiser cesariana… Que bom para ela! Acho que cada mulher é livre para escolher aquilo que quer e não deve ser julgada por isso.

Eu quero o melhor para a minha filha. Não tenho pressa para entrar na maternidade e sair com a Julia meia hora depois nos braços – apesar de rezar todos os dias para conseguir uma dilatação daquelas bem rapidinhas!! Risos.  Também não fico pensando na dor que vou sentir. Quero viver essa experiência com a mesma totalidade que estou vivendo cada semana da minha gravidez. Quero sentir o amor, o medo, a dor, a alegria e tudo o que tiver que sentir no momento que a Julia vier ao mundo.

E que seja no momento dela. Não tenho a menor vontade de escolher o dia que ela vai nascer e nem quero marcar o meu parto como faço para marcar o salão de beleza. Quero que aconteça quando tiver que acontecer. Se nesse dia, a minha obstetra disser que o melhor é partir para uma cesariana, seja pelo motivo que for, não pensarei duas vezes. Escolhi a profissional perfeita para que eu nunca fique em dúvida da opinião dela. O que ela disser, eu sei que será o melhor para mim e para a Julia. E também sei que até a cesariana a Priscila faz de um jeito mais humanizado (o cordão umbilical não é cortado imediatamente, a Julinha vem logo para o meu colo e por aí vai…).

Como disse, essas são escolhas minhas. Acho que todo mundo deve sempre buscar informações – muitas, muitas e muitas – para decidir o que é melhor para si. Seja de parto normal ou de cesariana o melhor é o que vai fazer bem para você e para o seu bebê – tanto física quanto psicologicamente. Não se deixe influenciar pela opinião de outras pessoas e faça aquilo que o seu coração  (e o seu obstetra muito bem escolhido e alinhado com o que você quer) – mandar.



Veja mais posts sobrecesária cesariana Diário da gravidez escolhas gravidez parto parto normal