23 de Outubro de 2016

Confundi as pessoas e paguei o maior mico essa semana

Ai, gente! Falou em pagar mico, falou em Fernanda Belém. Sério mesmo, eu tenho o dom para esse tipo de coisa. Desde adolescente essas coisas acontecem comigo. Um dia ainda vou ter coragem de contar o maior mico de todos para vocês. Só não contei ainda, pois o mico envolve a maior burrice do mundo. Sabe quem são os envolvidos nessa história? Eu, minha amiga Renata e Fidel Castro. Isso mesmo. Mas vamos deixar essa história de lado e voltar para a que aconteceu recentemente.

mico

Nessa semana eu fui almoçar com o Vi no Seu Antônio, quando estávamos chegando no restaurante, vi uma menina carregando uma garotinha em uma bicicleta. Na mesma hora falei para Vinicius:

“Caramba, Vi! Anda mais rápido! Passa aquela bicicleta! Acho que é uma menina que trabalhava lá na minha faculdade, era minha amiga, não encontro ela há anos…”

Passamos por ela, olhei o rosto e falei. É ela mesmo!! Abri o vidro do carro, Vinicius parou.

“Meninaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa… Quanto tempo!!!! Como você está, figura?!”

E aí a garota me olhou e fez uma cara de “não estou te reconhecendo”.

No mesmo instante eu falei

“Não acredito que você não está me reconhecendo!!!!!!!” – E fiz cara de espanto, mas ao mesmo tempo rindo. Pois acreditei que ela reconheceria, só estava precisando de um pouco de tempo para isso.

Nada.

“Poxa, sou eu, Fernanda, da faculdade”.

Ela continuou me olhando, abriu um sorriso amarelo e eu dei tchau. Não tinha jeito. Ela não lembrava de mim.

Fechei o vidro, olhei para frente e Vinicius me olhou de rabo de olho, com uma cara cheia de graça.

– Ela não te reconheceu? – perguntou cheio de vontade de rir.

– Ah, de repente ela estava enrolada com a garotinha – dei de ombros.

– Você realmente era amiga dela?

– Sim! Estranho – e aí eu peguei meu celular e mandei uma mensagem para uma outra amiga que tinha em comum com a menina da faculdade.

“Camile, Érica teve filha? Diz que sim! Estou achando que acabei de pagar o maior mico do mundo”

– O que você está fazendo? – perguntou Vinicius.

– Sei lá, Vi. Tô aqui pensando e acho que posso ter me enganado. Será que não era ela?

– Como você fala com uma pessoa daquele jeito sem ter certeza que era a pessoa, Fernanda?

– Acho que era, sim! – Suspirei.

“Não, Fê. Érica não tem filha. Acho que você pagou mico!”.

Comecei a rir e falei para Vinicius que tinha confundido as pessoas. Rimos daquilo e sentamos para almoçar. Quando a comida chegou, arregalei os olhos.

– O que foi, Fernanda?!

– @#$%¨&*, Vinicius!

– O quê?!

– A menina que eu pensei que era da minha faculdade, na verdade é aquela moça que trabalha aqui. Ai MEU DEUS!!! Ela está olhando para cá!

Abaixei a minha cabeça e quase me escondi embaixo da mesa. Que mico!! Eu e o meu dom para sempre fazer alguma besteira. Saímos de lá e eu não tive coragem de olhar na direção da garota. O pior é que elas nem mesmo se parecem. Não sei da onde tirei aquilo. O pior, é que ela deve ter lembrado de mim do lugar certo e deve ter ficado se perguntando de que faculdade eu disse que conheço ela.

Veja mais posts sobreHistórias mico Seu Antônio vergonha