17 de Novembro de 2016

Fala sério, é só um cachorro!

Se você tem um filhinho de quatro patas, provavelmente já ouviu a frase “é só um cachorro”. Muitas pessoas que não possuem um bichinho de estimação – e, infelizmente, alguns que possuem – não entendem que o cachorro não é um enfeite da casa, um brinquedinho que você brinca quando sente vontade e abandona quando quer fazer outras coisas.

Valentina de roupa

“Ah, vai deixar de sair?”, “Não acredito que vai voltar cedo para casa só por causa disso”, “Deixa bastante comida e bastante água, não tem problema deixar ele dormir sozinho”, “É só um cachorro”.

Quando a Valentina chegou, nossa vida mudou. E eu sabia que seria assim desde sempre, estava preparada para isso. Era o que eu mais queria no mundo.

“Não acredito que você deixa sua cachorra solta na casa inteira!”, “Não acredito que ela dorme no seu quarto”.

Nunca entendi nada disso. Não entendo quem prende o bichinho, quem acha que a casa do cachorro deve ser a varanda ou a área. Desde quando a Valentina chegou, ela virou parte da nossa família e a casa passou a ser dela também.

Desde quando sonhava com meu cachorrinho, o que eu mais queria era o amigo mais fiel, aquela coisinha que se aconchega em mim quando está com soninho ou quando percebe que alguma coisa não está legal. Uma companhia que é maior do que qualquer outra coisa, o maior amor do mundo.

Não, não é SÓ um cachorro.

Buldogue francês

Se bobear, cachorro sente mais do que muitos humanos de hoje. Me parte o coração quando vejo pessoas abandonando os seus porque vão trocar de casa, porque um filho nasceu, porque ele late demais. Olho para a Valentina e fico pensando como alguém consegue fazer esse tipo de coisa. O cachorro não é uma coisa, ele é amor e dos mais puros que já vi.

Sim, eu deixo de fazer muita coisa por ela e vou continuar fazendo isso durante todo o tempo que ela existir. Quando passo um tempo longe dela, sinto meu coração partir. Assim como acredito que o dela fica partido até a hora que eu volto para casa. Quando chego, lá está aquela sombra na frente da porta, me esperando.

Enquanto trabalho, ela deita nos meus pés. Quando vamos dormir, ela se aninha nas nossas pernas, cola o nariz o mais pertinho que pode, só para saber que a gente está ali, juntinho dela. Como pensar em deixar ela sozinha?

Não, não é só um cachorro. É amor. E eu não gosto de deixar o amor perdido, sofrendo, triste com a minha ausência. Quando decidi ter um cachorro, não foi esperando um brinquedinho ou uma estátua. Quando eu sonhei com um cachorro, era exatamente isso que eu queria. Um mundo de amor, de olhares carentes, de um milhão de jogadas de bolinhas. De pedidos de carinho. De uma parceria que eu gostaria que durasse muito mais do que os poucos anos que vive um cachorrinho.

valentina 1

Amo olhar para o banco de trás do carro e encontrar a Valentina olhando a janela ou deitadinha entre os nossos bancos, sempre olhando para ver se estamos ao lado dela. Adoro descobrir novos lugares que permitem que o cachorro entre com a gente. Ela deita do nosso lado e fica quietinha durante todo o tempo. Ela só quer estar junto.

É claro que nem sempre isso é possível. E quando minha mãe não pode ficar com ela, dói meu coração saber que ela está sozinha, apenas esperando o nosso retorno.

Só entende que não é SÓ um cachorro, quem realmente se importa, quem tem tanto amor no coração quanto o que eles têm. E sim, enquanto a Valentina existir, vou deixar de fazer muitas coisas só para estar com ela. Vou sofrer sempre que souber que ela está sozinha, me esperando. Vou sentir saudades, sempre que viajar e deixar ela com a minha mãe. E vou encher meu coração de amor, sempre que a gente estiver juntas.

O cachorro não é só um cachorro, é o maior amor do mundo e as pessoas deviam dar mais valor aos seus bichinhos.