24 de Fevereiro de 2016

O que eu achei do livro Depois dos Quinze da Bruna Vieira

Comprei o Depois dos Quinze na Bienal de 2013, mas ainda não tinha tirado da estante. Já seguia a Bruna Vieira nas redes sociais e fiquei curiosa para conhecer o trabalho dela, só que como compro mais livros do que consigo ler, acabei esquecendo dele. Esses dias, arrumando a minha estante eu o encontrei e deixei separado para que fosse uma das minhas próximas leituras. Comecei no final de semana e descobri que na verdade eram crônicas que eu poderia ler aos poucos.

Não foram necessários muitos dias para terminar as quase 200 páginas. Quando comecei a ler, mergulhei em um universo que já não é o meu a pelo menos dez anos e morri de saudades das dores e delícias de ser uma adolescente. Pelo que entendi, quando a Bruna escreveu esse livro ela tinha acabado de completar 18 anos. Foi divertido me reconhecer em várias daquelas histórias e lembrar como adolescentes são intensos, cheios de amores e desamores.

Depois dos quinze Bruna Vieira

Se você tem entre 11 e 20 anos, com toda a certeza do mundo vai se identificar com vários dos desabafos da Bruna, provavelmente poderá usar um ou outro pedaço para enviar aquele recado para o gatinho que te decepcionou. Se você já passou dessa fase, vai se lembrar de como éramos dramáticas na época da escola e vai sorrir com as lembranças.

A Bruna escreve bem e se coloca na pele de várias personagens. As crônicas não são apenas desabafos da própria autora, ela também dá voz a personagens masculinos, mulheres mais velhas e eu achei isso bem interessante. No final, no lugar de uma crônica tem um pequeno conto – não lembro exatamente a quantidade de páginas, mas é entre 20 e 40.

Enfim, como podem perceber eu achei uma gracinha o livro e recomendo para todas as meninas que estão vivendo os dilemas da vida de adolescente. É fofo e vocês vão achar que aqueles textos foram escritos para vocês, para o momento que estão vivendo. Afinal, quem nunca passou por uma desilusão de amor que atire a primeira pedra.

Veja mais posts sobreBruna Vieira Depois dos Quinze leitura livro opinião resenha