29 de Dezembro de 2017

Engravidei, emagreci 20kg, publiquei um livro – Retrospectiva 2017

E lá vamos nós para a retrospectiva 2017!! Dizer que o ano passou voando não é mais novidade para ninguém, não é mesmo? Mas já fiz um acordo com o tempo e isso não vai acontecer em 2018. Uma das metas é aproveitar cada instante, cada milésimo de segundo para que cada momento tenha o valor que merece. Menos celular, mais vida. Mas isso é papo para uma postagem de início do ano. Agora, vamos falar mesmo do que rolou em 2017. Que ano!!

No Natal de 2016, minha mãe me deu de presente um caderno lindo para anotar os meus sonhos (mais uma meta para o ano que vem, voltar a escrever nesse caderno!!!) e estava dando uma olhada nele quando me assustei – consegui realizar 90% das metas que estipulei para esse ano. Apenas uma ficou para o ano que vem.

Por isso eu sempre digo que vale a pena a gente anotar tudo o que deseja, pois passamos a trabalhar o corpo, o cérebro e o universo para realizar o que realmente queremos.

E lá nas minhas metas estavam: Cuidar da saúde, engravidar, publicar um livro, emagrecer, enfrentar meus medos…

Vou confessar aqui uma coisa que é uma vergonha. Eu sei. Não deveria nem falar isso, pois foi uma irresponsabilidade sem tamanho… Eu estava a mais de 10 anos sem fazer exame de sangue, sem marcar médicos, sem nada disso. Tinha verdadeiro pavor, a síndrome do jaleco branco. Cheguei a tremer quando coloquei isso como uma meta no caderno, mas de 2017 não passaria, pois um dos meus maiores desejos esse ano era engravidar.

Se eu fiquei mais de dez anos sem fazer um exame de sangue, fiz mais de trinta nos últimos 12 meses. Comecei fazendo um para ver como eu estava. Foi bem no início do ano, estava bemmmmmm fora do peso e descobri que estava quase chegando na marca da diabete tipo 2. Minha glicose estava bem no limite. Era a única taxa fora do lugar – graças a Deus! -, mas eu já me desesperei e procurei uma nutricionista para me orientar.

Na sequência, descobri que meu outro sonho estava virando realidade… Eu consegui engravidar!! Não foi de primeira, demoramos uns quatro meses para conseguir, mas Papai do Céu foi bem generoso com a gente e nos deu o que eu tanto queria. Foi um momento de muita emoção, medos, angústia, felicidade…

Mas a gravidez também foi responsável para que as minhas outras duas metas – saúde e emagrecer – ganhassem ainda mais força. Eu queria o melhor para a minha bebezinha e por isso, precisava cuidar de mim da melhor maneira possível.

E foi assim que com uma reeducação alimentar eu acabei perdendo 7 quilos, enquanto a gravidez avançava. Não fiz nenhuma loucura, apenas passei a comer melhor, não bebi mais nada alcoólico e cuidei de mim. Dessa maneira, não demorou muito para que a minha glicose ficasse linda! <3

Estava feliz da vida, até que senti uma dor muito estranha na barriga. Achei que eram gases, mas descobri que era uma apendicite que já tinha estourado e criado uma peritonite. Morri de medo. Não só por mim, mas pela Julia. Operar grávida? OPERAR?! Eu tinha medo de médico, nunca tinha nem ido a um hospital e tive que passar 12 dias internada, fiz todos os exames possíveis – até mesmo o mais temido de todos por mim: tomografia! Sou claustrofóbica e ainda estava grávida!!!!! – e ainda tinha que fazer mais de um exame de sangue por dia. Entenderam o motivo de ter feito uns trinta?!

Foi barra pesada, mas eu venci. Nós vencemos. Percebi o quanto era forte, o quanto a Julinha é guerreira e como Vinicius é parceiro – ele ficou comigo os 12 dias, me deu banho, acordava a madrugada inteira para ver os remédios que as enfermeiras estavam me dando… Nunca vou conseguir agradecer tanto carinho.

Saí desse episódio ainda mais forte, mais dona de mim, mais confiante de que nossos sonhos podem dar certo mesmo com obstáculos complicados no caminho.

Curti a gravidez de uma maneira que nunca imaginei. Sempre acreditei que era algo que causava desconforto, que doía… Mas me apaixonei por essa fase, pela barriga, pelos chutinhos da Julia dentro de mim, pelos laços que comecei a criar com ela.

Por causa da apendicite eu emagreci mais. Fiquei dez dias sem poder nem mesmo tomar água no hospital. E assim perdi mais cindo quilos.

Minha alimentação ficou ainda mais regrada. Não queria mais nenhum problema até o final da gravidez. Cortei qualquer tipo de gordura e doce. Fui acompanhada por uma nova nutricionista e passei a entender melhor sobre como me alimentar bem. A parte dos cortes foi uma decisão minha, já que ela orienta o equilíbrio para tudo.

Foi na gravidez também que me senti mais mulher, mais adulta, mais poderosa. Escolhi a melhor equipe do mundo para me acompanhar e na reta final, aprendi muito com eles sobre o parto normal, humanizado e sobre como o respeito com a mãe e com o bebê são importantes, mas infelizmente não praticado pela maioria dos médicos.

Antes do nascimento da Julia, outro filho nasceu: o meu livro Folhas de um Outono. Como era a minha meta publicar esse ano, resolvi não mais esperar pela publicação do impresso – que deve demorar ainda mais um pouco para sair – e fiz a publicação em e-book na Amazon. Receber o carinho das leitoras que já leram, foi um estímulo ainda maior para a nova meta de publicar pelo menos um livro por ano.

Consegui ter a Julia em um parto normal que durou 36 horas – entre pródromos e trabalho de parto ativo – e me transformei. Pegar aquela coisinha tão pequena e já de olhos abertos, assim que saiu da minha barriga, foi uma das maiores emoções da minha vida. Parir foi realmente incrível. Me mostrou mais uma vez a força que eu tenho e não sabia.

Depois disso? Só felicidade. Descobri um sentimento que não imaginava existir. É realmente o maior amor do mundo. Aquele amor que me faz ficar horas e horas olhando o rostinho da minha filha enquanto dorme, mama, fica curiosa descobrindo o mundo, chora…

Sem a Julia na barriga e depois de um parto normal, minha barriga desinchou em pouquíssimos dias e ao invés do famoso baby blues, que muitas mulheres precisam enfrentar no pós parto, eu vivi um dos melhores momentos da minha vida. Amo acordar e me olhar no espelho. Meu corpo voltou a ser como era há uns vinte anos. Sim, estou com olheiras e sem poder arrumar o cabelo. Mas ainda assim, me sinto bem com quem me transformei. Olho a Julia e me encanto com o milagre que ela é. Minha guerreirinha, o resultado de um amor de quase vinte anos.

A adaptação com a Valentina foi bem tranquila, apesar de perceber que ela ainda fica tristinha por não ser mais filha única e ganhar atenção exclusiva. Mas aos poucos ela está percebendo que ganhou mais alguém para amar. Os beijos são diários e o cuidado com a Julia aumenta a cada instante.

Na balança? Menos oito quilos dos 12 perdidos anteriormente. Ou seja, 20 quilos a menos na minha conta. Dessa maneira, mais uma meta realizada e assim que a minha médica liberou, voltei para os exercícios físicos. Devagar. Apenas uma esteira. Mas já para criar o hábito que quero levar comigo para sempre. Nunca mais quero me olhar no espelho e tentar esconder aquilo que não gostava em mim. Quero sentir o prazer diário de me admirar, de gostar do que estou vendo.

Não levanto bandeira do corpo perfeito. Acho que isso é uma escolha de cada um. Se eu me sentisse bem acima do peso, tudo bem. Mas eu me sentia frustrada e comia ainda mais. Quero seguir me alimentando melhor para ter a melhor saúde possível para aproveitar bem a minha filha por muitos e muitos anos.

2017 foi um ano de muitas emoções e de transformações gigantescas na minha vida. Mudanças que vão seguir acontecendo pelos próximos anos. Um ano que me deu muita força, que me fez enxergar o que realmente importa na vida. Deixei vergonhas e medos de lado e ganhei muito com isso.

Veja mais posts sobre2017 retrospectiva retrospectiva 2017
01 de Janeiro de 2017

Feliz ano novo! Tudo novo de novo

Feliz ano novo!! Chegamos em 2017, as esperanças se renovam e todos torcem para que esse seja um ano com mais paz, menos guerra, mais amor e solidariedade. Espero que todo mundo olhe mais para dentro de si e busque a mudança interior para tentar se transformar em alguém melhor. Quando mudamos a nós mesmos, mudamos também o mundo.

2016 fechou alguns ciclos importantes na minha vida e estou mais empolgada do que nunca com 2017. São novos sonhos, novas metas, novas conquistas para realizar. Depois de 4 anos trabalhando em uma consultoria para o Ministério do Esporte no projeto das Olimpíadas, terminei o ano me despedindo de mais essa incrível experiência profissional. Agora, quero focar totalmente no que eu mais amo fazer: escrever, criar, produzir.

Em 2017, espero ler mais livros, experimentar mais vinhos, viajar mais, fazer novos amigos, conhecer lugares que nunca fui até hoje, escrever muito mais,  vencer medos, assistir mais documentários e palestras que acrescentem coisas boas na minha vida, ir mais em teatros e exposições. Quero buscar o amor e a felicidade todos os dias desses 365 que vêm pela frente. E quero respirar cultura.

Andei fazendo aquelas reflexões que a gente sempre faz nessa época do ano e decidi que vou me afastar de tudo o que não me faz tão bem.  Não vou seguir pessoas tóxicas, aquelas que reclamam mais do que vivem. Quero seguir quem compartilha amor, bondade e boas ideias. E é o que quero espalhar por aqui esse ano.

Também quero ser mais solidária. Tenho esse sentimento dentro de mim, mas por não saber como fazer ou o que fazer, muitas vezes acabo não fazendo tanto. Mas esse ano eu quero mudar isso. Quero visitar asilos, orfanatos, quero mudar a vida de alguém de alguma maneira positiva.

2017 está começando, você tem 365 dias pela frente para escrever uma nova história na sua vida. Você é totalmente responsável por todos os capítulos e pelo caminho que seu protagonista irá percorrer. Basta você decidir desde já se quer que seja uma história de sucesso, um drama cheio de lamentações, uma linda história feliz. A gente pode buscar o que a gente quer de várias maneiras, principalmente quando a gente realmente sabe o que quer.

Desejo que 2017 seja um ano lindo para todos vocês. Escutem boas músicas, leiam bons livros, assistam palestras enriquecedoras, decidam não se estressar, não brigar, se afastar de quem não te faz bem. Tudo muda quando a gente muda e eu espero que todos realmente busquem essa mudança em si para construir um mundo melhor.

2017, que você seja lindo!  Um feliz ano novo para todos vocês!

 



Veja mais posts sobre 2017 ano novo mudanças primeiro dia do ano ser melhor