09 de Setembro de 2016

Hotel Meliá Paulista – Nossa Opinião

Quando foi confirmado que o lançamento de O Livro Delas aconteceria na Bienal de São Paulo, comecei a pesquisar os hotéis. Da última vez que eu e Vi fomos para lá, ficamos em um Ibis tãooooooooo apertadinho, que dava até claustrofobia. Como ficaríamos apenas dois dias dessa vez, resolvi fazer uma pesquisa para pegar um hotel mais confortável. Foi assim que depois de olhar algumas opiniões de viajantes, resolvi reservar o Meliá Paulista.

melia-paulista-1

Como o próprio nome já diz, o hotel fica na Avenida Paulista e é MUITO bem localizado. Fomos de carro – por causa do meu pavor de avião -, foi tranquilo estacionar, pois o hotel conta com um estacionamento (achei um pouco carinho para os hóspedes, mas como fica bem coração da Av. Paulista, é até compreensível. Custa 50 reais 24h). Paramos apenas para deixar as malas, pois estávamos morrendo de fome.

De cara eu já AMEI o hotel. Adoro quando sou recebida com sorriso e simpatia nos lugares. Foi exatamente dessa maneira que fomos atendidos logo que chegamos ao Meliá Paulista. A menina da recepção foi uma fofa e além de toda a simpatia, também ofereceu um upgrade para um quarto mais alto e com vista para a Paulista por apenas 50 e pouquinho a mais. O quarto era bem maior, vinha com mais mimos – roupão e um chinelinho que poderia levar para casa -, mas preferimos conhecer o nosso quarto antes de trocar.

Bom, amamos tanto, tanto o nosso quarto que decidimos ficar por ali mesmo. Como passaríamos o dia inteiro na rua, não tinha necessidade de um espaço maior e nem com uma vista mais bonita. O nosso quarto já era de um tamanho perfeito, com um janelão que dava para ver o céu quando estávamos deitados na cama. Era silencioso, pois ficava virado para os fundos. Enfim, perfeito para o que precisávamos!

melia-paulista-quarto

O café da manhã era delicioso. São diversas opções de coisas gostosas. Muitos tipos de pães, frios diferentes, várias guloseimas para você sair de lá mais gordinho do que quando chegou. Risos! Você também poderia pedir uma tapioca, crepioca ou panqueca do sabor que quisesse, que tinha uma pessoa para fazer. Ou seja, não ficou devendo nada. Uma delícia! Difícil era sair do salão de café da manhã. Risos!

Ai, gente! E o que era chegar cansada de tanto andar – o primeiro dia na Oscar Freire e o segundo dia na Bienal – e deitar naquela cama simplesmente maravilhosa?! Amo hotéis que investem em roupas de cama de muita qualidade e no Meliá Paulista era assim. Até tentei achar na etiqueta o fabricante daquele cobertor, mas não encontrei. Só sei que tive duas noites de sono perfeitas. Acordava sem vontade de levantar – até lembrar do café da manhã!

A única crítica, que nem é tão crítica assim, é que o quarto não tem uma iluminação muito forte. Ele é um pouco escuro quando anoitece e se eu precisasse ler, por exemplo, a luz que ficava ao lado da cama não seria suficiente para deixar a vista confortável.

O quarto é com carpete e isso deixou Vinicius resmungão no primeiro momento, mas esquecemos disso no segundo seguinte. Não tinha cheiro de poeira, não incomodou em nada, pelo contrário, acho até que deixou o quarto mais aconchegante.

Na hora de ir embora, fomos mais uma vez recebidos na recepção por outra menina muito simpática e solícita. Ficamos com a impressão que o pessoal realmente gosta de trabalhar lá. Seria perfeito se todos os lugares fossem assim. Quero muito voltar com mais calma para São Paulo e me hospedar novamente no Meliá Paulista.  Indico para todos. E sabe o que é ainda melhor? Nos finais de semana as tarifas são muito mais baratas. E pagamos ainda mais barato também fazendo a reserva direto pelo site do hotel. Tinha visto naqueles sites que fazem reservas, mas pelo hotel saía muito mais em conta. Não deixem de anotar essas dicas. =)

Veja mais posts sobreBienal dica hospedagem Hotel Meliá Meliá paulista opinião paulista sampa são paulo viagem viajar
30 de Agosto de 2016

Final de semana em São Paulo e Bienal do Livro

Oi, meus amores!! Fiquei um tempo sem atualizar, pois estava na correria para viajar para Sampa para o lançamento do nosso livro – O livro delas – e acabei precisando deixar o blog um pouquinho de lado na última semana. Mas estou de volta e cheia de gás para contar todas as novidades para vocês. Resolvi fazer um resumão de tudo e depois vou fazer outras postagens para dar mais detalhes sobre restaurantes, o hotel que ficamos e o que mais tiver para contar. Combinado?

Bienal do livro

Quando soube que as senhas para a nossa manhã de autógrafos tinha acabado, senti um frio na barriga gigantescooooo!! Todo mundo me pergunta “mas você ainda não está acostumada a dar autógrafos?”. Não! Não estou acostumada e espero NUNCA me acostumar. Como sempre amei os livros, saber que estou colocando pedacinhos de mim pelo Brasil – e espero que um dia seja pelo mundo -, é mais do que a realização de um sonho, é uma coisa incrível demais!!! Por esse motivo, cada autógrafo é único, cada pessoa que leva o meu livro para casa, está levando um pouco de quem eu sou, dos meus sonhos, da minha alma! Como posso me acostumar com isso? Como posso não sentir frio na barriga, não tremer, não me emocionar? IMPOSSÍVEL!!

Toda a minha ansiedade virou felicidade, quando cheguei na Bienal e encontrei tanta gente fofa, tantos leitores queridos, tanto carinho… Eram sorrisos, abraços, carinhos que nunca mais vou esquecer! Todas as escritoras que estão comigo nesse livro são pessoas muito queridas, que sempre tive uma admiração muito grande por elas. É muito bom poder fazer parte desse projeto!

Além de toda a maravilha da Bienal, ter a oportunidade de passear em Sampa também foi ótimo! Sério, gente! Trocaria facilmente – pelo menos por um tempo – o Rio por São Paulo. Adoro aquelas ruas cheias de casas, o clima das ruas paulistana, os barzinhos e restaurantes!! Tínhamos feito uma programação ótima para conhecer a gastronomia indicada por amigos, mas não conseguimos ir em nada que tínhamos planejado! E isso foi ruim? Claro que não! Acho que é praticamente impossível alguém se decepcionar com a culinária dos paulistas (principalmente dos italianos!).

Tanto no sábado quanto no domingo eu e Vi voltamos esgotados para o hotel. No sábado, viajamos de carro para Sampa (ufa! Ainda bem que o Vi topa essas coisas para me salvar do meu pavor de avião!!), logo que chegamos fomos conhecer o Eataly – nossa!! Amei aquele lugar e vou contar tudo para vocês em outro post!! -, depois resolvemos caminhar pela Oscar Freire e voltamos a pé para o hotel – uns cinco ou seis quarteirões de ladeira!!!!! -. Esticamos os pés rapidinho para depois conhecer um barzinho que fazia a sua própria cerveja, o Karavelle. Amamos!!

No dia seguinte, foi o dia inteiro na Bienal – lançamento do livro, bate papo na arena Toda Teen e encontro com leitores de Ah, o verão na Livraria Leitura – e voltamos para o hotel totalmente acabados!  Mesmo assim, não podíamos deixar de aproveitar a gastronomia de Sampa e lá fomos nós para a Famiglia Mancini – eu já conhecia e sempre amei, mas Vinicius ainda não tinha ido lá. Que delícia!! Depois conto com detalhes para vocês!

Ficamos hospedados no Meliá Paulista e foi uma opção perfeita! Depois da maratona dos dois dias, voltar para aquela cama deliciosa, com aquelas roupas de cama maravilhosas… Foi simplesmente perfeito! Ainda essa semana vou contar detalhes do hotel aqui no blog e toda a nossa opinião sobre ele.

Bom, como disse lá no início, esse foi apenas um resumão do nosso final de semana. Ah, faltou dizer uma coisa MUITO importante. O que é a estrada Rio-Sampa pela Dutra?! Gente, ela é PERFEITA!! O asfalto é todo novinho, tem aquele canteiro central que impede ultrapassagens e deixa tudo mais seguro. Sem contar que são várias paisagens lindas durante a viagem. Não troco as cinco horas de carro por uma hora de voo tenso e chato de jeito nenhum! Risos!!

Veja mais posts sobre Bienal Bienal do livro gastronomia Hotel restaurante roteiro sampa são paulo sp viagem viagens viajar