07 de Março de 2017

E se você enviasse uma carta para alguém do seu passado? – Por Acaso

E se um dia você sentisse uma saudade enorme de alguém – um amigo, um amor, um parente – e resolvesse resgatar aquele pedacinho do seu passado enviando uma carta? Em algum momento da vida você pensou nessa possibilidade? Imaginou o que poderia acontecer?

Esse é o tema do meu conto Por Acaso, que você pode conferir em O Livro Delas, publicado em agosto do ano passado pela Editora Rocco. O livro faz parte do projeto #LitGirlsBr, que eu tenho muito orgulho de fazer parte.

Contei a história da Samantha, carioca, arquiteta, apaixonada pelo trabalho, mas que de tanto amor pelo que faz, quase não tem tempo para fazer mais nada na vida. Uma viagem de trabalho acaba despertando recordações de um amigo do passado. Quando volta para casa, Sam resolve enviar uma carta enorme para aquele amigo. Afinal, quase 20 anos sem notícias, eram muitas coisas para serem ditas.

A viagem, a carta e tudo que acontece depois faz com que a gente pense em como pequenas escolhas e decisões podem trazer grandes surpresas para as nossas vidas.

O que você acha que acontece com a carta que ela enviou?

Para descobrir, não deixe de ler O Livro Delas. E depois não deixe de me contar a sua opinião!

“[…] não gosto muito da ideia do destino, de que tudo já está escrito em algum lugar. Acho que precisamos sempre escolher que direção queremos seguir nos caminhos que a vida dá para a gente. Todos os dias encontramos novas ruas e desvios e tudo o que acontece depois depende de nossas escolhas.”

Conheça a opinião de alguns leitores que já leram o meu conto! <3

“Esse conto me lembrou A Casa do Lago, mas não tem tanto a ver assim. Por mais estranho que possa parecer, consegui acreditar na veracidade da história de dois estranhos se relacionando a distância e sem terem se visto. Foi o mais fofinho de todos, que me deixou com aquele gostinho de “isso aí podia virar livro e usar o conto como prefácio”. Fica a ideia, Fernanda!” – Prazer, me chamo livro

“Outro que achei bem bacana foi o “Por acaso”, da Fernanda Belém. Primeiro devo dizer que eu sou muito apaixonada por histórias com troca de cartas ou mensagens ou e-mails, sempre esquenta meu coração, e não foi diferente com esse conto. Adorei como tudo se deu início e as conversas deles pareciam tão fáceis e reais que sempre me pegava sorrindo.” – Solaine (avaliação na Amazon)

“Gostei demais da história da Fer Belém, de como ela falou sobre o acaso, destino, escolhas e de como ela deixou que no final pensássemos que a vida seguirá conforme for o destino dos personagens, mas também conforme suas escolhas dali por diante, e que sim, no meio dessas escolhas com certeza existirão mudanças, mas também exigirão sacrifícios, para assim encontrarem a felicidade.” – Mato Por Livro 

“Após isso, eles acabam correspondendo-se mais algumas vezes, conversam sobre coisas banais, sobre os trabalhos e muitas outras coisas, mas nem mesmo sabiam como era o rosto do outro. Foi bem legal acompanhar o relacionamento recém adquirido da dupla, a amizade entre eles ocorreu de forma rápida, mas o romance levou o tempo certo. Gostei do desenvolvimento da história e dos personagens, e achei que o final não poderia ter sido melhor.” – Shake de Palavras

“Aqui temos dois pontos de vista, através da troca de correspondência entre os personagens. É divertido imaginar suas ações e reações e ler logo em seguida o que eles decidem fazer. E ainda ganhou pontos comigo por citar um filme que adoro!” – Livrologos



Veja mais posts sobrecarta cartas livro livros O Livro Delas Por Acaso romance romance epistolar
19 de Janeiro de 2017

Eu quero uma baleia e a tristeza de não saber inglês

Estudei inglês a vida toda, mas sabe quando você simplesmente não gosta de uma língua? Então, aprender esse idioma é a coisa mais complicada do mundo para mim. Não estou exagerando quando digo que tentei a vida toda. Comecei com sete, oito anos, tenho até vídeos para provar e segui até os vinte e pouco. Sempre parando um curso e começando outro. Nunca saí do intermediário e nunca aprendi de verdade.

Com o italiano aconteceu justamente o contrário. Em seis meses eu já estava conseguindo me comunicar e entender o que os outros falavam. Com o espanhol também. São línguas que eu gosto, acho charmosas, românticas… Mas o inglês eu simplesmente não gosto e não consigo entender. Talvez, se o Owen Wilson me desse aula, tudo fosse diferente. É só ouvir esse ator falando em Meia Noite em Paris que a minha vontade de falar inglês volta rapidinho. Que sotaque lindo!!!

Mas o fato de não saber inglês me entristece. Diversas vezes quis escrever para pessoas que eu admiro, mas não consegui por causa da barreira com a língua. Vinicius até morou lá nos Estados Unidos, mas como ficou muito tempo sem usar novamente, ele também não se sente seguro para fazer a “tradução” das cartas que eu sinto uma enorme vontade de escrever.

Ontem assisti uma palestra – amanhã vai entrar até um texto que escrevi sobre ela – no TED de um autor de livros infantis e eu fiquei morrendo de vontade de conversar um milhão de coisas com ele. Mas o cara é americano, como poderia dizer tudo o que eu queria? Mesmo assim, não desisti. Do meu jeito – cheio de erros e com a ajuda do Vi e do tradutor – eu disse pelo menos o básico: que concordava com tudo o que ele tinha dito e que eu também queria a minha baleia.

Para entender, assista ao vídeo aqui:

Escrevi um textinho bem menor do que o que eu escreveria se conseguisse me expressar bem no idioma dele. Mas não consigo passar sem dizer nada por alguém que me marcou de alguma maneira. Essa palestra mexeu comigo em vários sentidos e eu precisava pelo menos dizer obrigada.

Não imaginei que fosse ter alguma resposta, ainda mais depois de ter consciência que não estava escrevendo nada muito certinho. Mas logo que abri o computador pela manhã, encontrei uma resposta que veio da assistente dele, dizendo que era ela e que com certeza enviaria para ele aquela mensagem tão divertida e carinhosa. Não é fofo?

Será que ele também vai me responder?! :O

Não é todo dia que eu sinto falta, mas diversas vezes lamentei por ter essa dificuldade tão chata com o inglês. Mais alguém é assim? Muitas vezes eu desejei que todos os idiomas deixassem de existir e que todos virassem apenas um – bora falar esperanto? , mas como não é assim, por enquanto eu só tenho a lamentar. Será que alguém tem um curso milagroso de inglês para me indicar? Mairo Vergara, quer me usar de garota propaganda e me patrocinar? Risos!! Mais alguém tem essa dificuldade? Alguém que tinha, conseguiu vencer e hoje fala e escreve tudo muito bem? Não deixem de me contar. Preciso aprender inglês de uma vez por todas, pois sinto que isso me limita demais.

 




Veja mais posts sobre baleia carta gratidão idiomas inglês TED