21 de Junho de 2017

Vale a pena conhecer a Bodega Bouza no Uruguai?

Só de pensar no assunto desse post, meu coração apertou de saudade! A Bodega Bouza é um passeio delicioso. E que vale até mesmo repeteco – pelo menos na minha opinião. Já tem bastante tempo que fomos. Conhecemos a Bodega Bouza em 2013, quando fomos passar a nossa Lua de Mel na Argentina e no Uruguai. Mas por que falar sobre isso agora?

Estamos tendo que abrir espaço em casa para a nova pessoinha que vai chegar no final do ano. Por isso, comecei a fazer uma arrumação no nosso quarto do meio. Arrumar lugares que não mexemos sempre, é como descobrir pequenos tesouros esquecidos. E um desses tesouros foram os meus cadernos. É claro que a minha arrumação é demorada, pois eu gosto de olhar tudo com calma e saudade. Foi assim que encontrei as minhas anotações da viagem de lua de mel e também todo o nosso planejamento. Como nunca falei da Bodega Bouza por aqui, resolvi fazer isso agora.

Quando decidimos passar a lua de Mel no lugar que eu mais amo – Argentina -, Vinicius quis incluir outro lugar que ainda não conhecíamos – o Uruguai. Mas o que fazer naquele país? Eu não tinha a menor vontade de conhecer nada por lá. Será que realmente valia a pena? Vinicius insistiu e começamos as pesquisas para decidir o que faríamos nos dias que ficaríamos no Uruguai. Dividimos 7 dias pelas cidades de Colônia de Sacramento, Montevidéu e Punta. Confesso que no final, eu fiquei triste por não ter mais dias para passar naquele país que roubou o meu coração.

Nas pesquisas que fiz, descobri que em Montevidéu existiam algumas vinícolas. É claro que me animei no mesmo instante e fui lendo opinião de visitantes sobre todas elas. Resolvemos conhecer a Bodega Bouza, que parecia ter fácil acesso  e uma visitação legal.

Já no Uruguai, pegamos um táxi que não sabia como chegar na vinícola, mas em poucos minutos ele resolveu o problema ligando para a Bodega Bouza para pedir informações sobre como chegar. Apesar de ser um pouco distante – levamos uns 15 a vinte minutos do Centro de Montevidéu até a vinícola -, a corrida de táxi foi barata e todo o resto foi maravilhoso!

A Bodega Bouza tem um espaço bem bonito. Na visitação, a menina vai contando a história da vinícola e explicando o que acontece em cada um dos lugares que passamos. Como fomos no outono, as árvores estavam secas, não tinham uvas. Mas isso não tirava a beleza do lugar.

Depois da visitação, que durava por volta de uma hora, fomos fazer a degustação dos vinhos. Tínhamos pedido na reserva um tipo de degustação para cada um – a mais cara era de vinhos especiais. Esperávamos provar todos os vinhos deles com aquela ideia. Mas aconteceu alguma confusão na reserva e eles acabaram anotando as duas degustações normais para a gente. Para compensar a minha carinha de decepção, eles serviram dois vinhos da degustação mais cara para que eu pudesse experimentar – e realmente eram ótimos!

Para acompanhar a degustação – que era MUITO bem servida, quase meia tacinha de cada um dos vinhos -, eles serviam uma tábua de pães e frios que estava deliciosa!! Quando a degustação acabou, ainda tínhamos todos os vinhos nas taças e resolvemos almoçar por ali. Recomendamos que todos façam o mesmo, pois o almoço na Bodega Bouza é uma delícia!!

Como já tínhamos comido a tábua de frios, resolvemos dividir um prato e pedimos a famosa carne uruguaia – MARAVILHOSA!!! -, com molho de vinho tannat e um purê. Hummmmmmmm… A comida foi deliciosa e deixou um gostinho de quero mais.

O Uruguai é um país que quero MUITO voltar! E a Bodega Bouza vai ser destino certo. Quero voltar a beber aqueles vinhos e poder experimentar todos os que não provei naquela ocasião. Só de pensar, já fico com água na boca… Mas enquanto a Julinha não chega, vou apenas lembrando de todos os vinhos deliciosos que já experimentamos por aí! Se você também é apaixonada por essa bebida e estiver com passagem para o Uruguai, não deixe de fazer essa visita. É realmente deliciosa.

Veja mais posts sobreBodega Bouza Montevidéu Uruguai vinho vinhos
06 de Outubro de 2015

Roteiro Lua de Mel: Argentina e Uruguai

Bom dia, queridos!!! Essa é uma postagem com gostinho de nostalgia!! O tempo passa voando e já completou dois anos e meio que fizemos essa viagem. Mas como muitas pessoas ficaram interessadas no meu roteiro de lua de mel, vou compartilhar com vocês. Passamos por Buenos Aires, Colônia, Montevidéu e Punta. Vamos viajar com a gente?

 Nosso roteiro:
01 – Brasil / Argentina: Saímos na parte da manhã e chegamos em Buenos Aires um pouquinho antes de meio-dia. Ficamos hospedados no Hotel Esplendor do centro (amamos!! O café da manhã era delicioso, os quartos gigantes e o atendimento era ótimo!!! Sem falar na localização perfeita, coladinho da Galeria Pacífico.), almoçamos no Mostaza (queríamos um lanche rápido, mas me recuso a viajar para outro país e comer em Burger King ou Mc Donald’s!! Se for para comer hambúrguer, vamos comer em uma lanchonete  local!!), fomos passear pela Florida e Galerias Pacífico. Tentamos trocar o dinheiro, mas descobrimos que é bem melhor comprar/pagar tudo com real, pois a conversão nas lojas, restaurantes, táxis, etc… é muito melhor do que nas casas de câmbio. Voltamos para descansar um pouco no hotel e lá pelas 22h, decidimos conhecer a tão famosa, falada, badalada – Asia de Cuba. Não ficamos para a boate, mas o jantar estava delicioso!!
asia de cuba
 02 – Argentina / Uruguai: Pegamos o primeiro Buquebus  para Colônia, no Uruguai. (que lugar MARAVILHOSO, parece cidade cenográfica saída de um conto de fadas!!!). Ficamos hospedados no Hotel Don Antônio (lindo e pertinho do Centro Histórico!!). Almoçamos no restaurante Santa Rita (confesso que não esperava muito do lugar, mas a comida era gostosa!!) e passeamos por todas as ruas maravilhosas de lá. Alugamos o famoso carrinho de golfe para passear pela rambla (nosso calçadão) e para conhecer a Plaza del Toro (que fica afastada do centro histórico), mas achei a maior furada! Talvez seja legal durante o verão. Morremos de frio e voltamos para o hotel. Jantamos no Mercosur um Chivito (confesso que achei o restaurante bem no estilo “para turistas”).
Colônia Colônia1 Colônia de Sacramento
03 – Colônia / Montevidéu: Pegamos um ônibus da empresa Cot (amei!!) para Montevidéu. São três horas de viagem em uma reta sem fim e como saímos na hora do almoço, chegamos no finalzinho da tarde. Dica: Pegar um ônibus sem paradas, pois dizem que o que faz paradas fica até com gente em pé. Fomos direto para o Hotel Palm Beach, em Pocitos (também adorei!!). Resolvemos caminhar pela rambla para ver o pôr-do-sol e depois (morrendo de fome e frio!!!) fomos para o Shopping Punta Carretas, que fica em um antigo presídio. Almoçamos / lanchamos no Blás (eu comi uma pizza e Vinicius uma tortinha, não foi uma maravilha não!!) e compramos casacos (para nossa alegria!!). Depois de descansar no hotel, fomos conhecer um restaurante indicado por uma amiga – O Bar 62 (comida deliciosa e sobremesa melhor ainda!!).
 Jaime Zudanes
04 – Montevidéu: Conhecemos a cidade velha a pé (descobri que é o melhor jeito de conhecer a cidade – melhor que o City Tour). Vimos as lojinhas, estátuas, prédios, monumentos… E fomos almoçar no Mercado do Porto (horrível! odiei!!! Arrependimento de não ter ido ao El Palanque que todo mundo elogia!). Continuamos a caminhar para conhecer o Teatro Solis (Lindo, lindo, lindo!!!) e depois fomos conhecer o Estádio Centenário (feio e destruidinho…). Lanchamos no Il Mondo Della Pizza (não gostei da pizza!). Para assistir o Peñarol x Defensor, fomos ao Bar Burlesque, que era o mais movimentado e bem bonitinho do lugar que fomos em Pocitos (petisquinho delícia e cerveja também!!). Valeu a pena!!
Merdaco do Porto - Montevidéu
Teatro Solis
Estácio Centenário Uruguai
 05 – Montevidéu / Punta del Este: Alugamos um carro e fomos para Punta! No caminho (estrada maravilhosa!! Ah, se os impostos no Brasil e os pedágios fossem usados de maneira honesta nas rodovias…) passamos por Piriápolis ( só passamos, já que o aquário de resgate de leões marinhos estava fechadoooooo!!! Quase chorei!) e paramos em Punta Ballena, na conhecidíssima casa / hotel/ museu do Vilaró – Casa Pueblo (o frio não me deixou aproveitar muito!!). Depois de um milhão de fotos e de uma lembrancinha, seguimos para a belíssima (e fantasma no inverno!) Punta del Este! Ficamos hospedados no maravilhoso Hotel Awa (fomos recebidos com uma deliciosa taça de espumante!). Tentamos almoçar em um restaurante na cidade, mas estava tudo fechado. Resistimos mais uma vez ao Burger King e fomos pela segunda vez ao Il Mondo Della Pizza (Dessa vez escapei da pizza e comi um Chivito deliciosooooo!!). Claro que o destino seguinte (depois de rodar pelas praias!) foi o Hotel Conrad (E é claro que seria para ir ao Cassino.) Depois de tentar encontrar algum restaurante aberto para jantar e dar de cara com portas fechadas ou lugares tão vazios que chegavam a deprimir, decidimos comer no hotel (que bom! que sorte! Que MARAVILHA!!! A comida do Awa era perfeita e uma das melhores de toda a viagem.).
Casa Pueblo Casa ùeblo Punta Balena 17524_687692421247179_637634901_n

06 – Punta / Montevidéu: Depois de comer o melhor café da manhã da viagem e de rodar novamente pelas praias (e de tirar fotos nos dedinhos, óbvio!), voltamos para a estrada maravilhosa para retornar para Montevidéu. No caminho, decidimos conhecer a fábrica de Doce de Leite Lapataia, mas como quase tudo em Punta, demos com a cara na porta. Aproveitamos que só iríamos entregar o carro no dia seguinte para conhecer a cidade de carro. Almoçamos / lanchamos no Shopping Boulevard Montevideo, no La Pasiva. Resolvi provar o cachorro quente deles (mais sem graça do que aqueles antigos do Maraca!! Não vem nada, mas até que a salsicha é gostosinha!!!) e depois fomos conhecer o estádio do Nacional (estava em obra, não podia entrar e o maridinho quis dar uma de O Impostor do Pânico, entramos pela porta do clube e fomos pela obra para visitar o estádio.). Ficamos mais uma vez hospedados no Hotel Palm Beach. Para curtir a noite uruguaia, decidimos ir no famoso Fun Fun! Chegando lá, não sei se intimidados pelo frio, o bar estava vazio, não aceitava cartão e não nos pareceu tão divertido. Por isso, voltamos para Pocitos e fomos ao Bar 21 (Juro que esse bar / boate / restaurante merece uma postagem só para ele de tanto que gostei!).

Estádio Nacional do Uruguai

 07 – Montevidéu: Esse era o dia mais aguardado por mim. Fizemos uma reserva para conhecer a Bodega Bouza (Amo vinho e estava louca para conhecer uma vinícola!). Entregamos o carro e pegamos um táxi para a Bodega (cuidado! Se informem antes com o taxista se ele sabe chegar lá!). O lugar é lindo, maravilhoso, o vinho é incrível e a comida é perfeita! Almoçamos lá e voltamos direto para o hotel. Como estávamos muito cansados e teríamos uma viagem cedo no dia seguinte, resolvemos jantar / lanchar mais uma vez no La Pasiva, no Shopping Punta Carretas. Pedi uma pizza (nossa! Como comi pizza nessa viagem!!) e Vinicius um sanduíche gigante! Quase dormimos na mesa de tanto sono, por isso voltamos para o hotel.
1000480_687703364579418_594950173_n

08 – Montevidéu / Colônia / Buenos Aires: Pegamos o ônibus (novamente da COT, com wi-fi – maravilha!!) de seis horas da manhã (chora de sono!!) para Colônia. Chegamos uma hora antes do horário do Buquebus e aproveitamos para trocar o Tax Free (tentamos, né?! Mas depois de apertar a campainha,  ninguém apareceu até a hora que fomos para o barco). Já em Buenos Aires fizemos a burrice de fechar um preço fixo (50 reais!!! Barato, mas caro!) com o taxista para ir de Puerto Madero até Palermo Soho, lugar que ficava o nosso hotel, também o Esplendor, mas dessa vez o de Palermo. Deixamos a mala no hotel e fomos caminhar pelas lindas ruas do bairro. Almoçamos em um restaurante que infelizmente não lembro o nome. Simples, mas com uma carne bem gostosa. Era um restaurante cinza, com luzes de boate, de esquina, quase chegando na Praça Serrano. De barriga cheia, fomos caminhar pela Córdoba e ruas próximas para ver se algum Outlet estava valendo à pena. Não compramos nada e voltamos para o hotel. Nossa noite foi perfeita. Pegamos o metrô para encontrar um amigo argentino que nos levou para a casa dos pais e preparou um verdadeiro churrasco argentino para a gente! Que delícia!!! Depois fomos conhecer a noite portenha (já tínhamos conhecido em 2010, mas dessa vez fomos em outra boate!). Entramos para a  área vip (meu amigo é o máximo!) da boate Esperanto, em Palermo. Ótimas músicas, bem divertido! E encerramos a noite portenha quando já era manhã.

Buenos Aires Churrasco

 09 – Buenos Aires: Resolvemos conhecer a feirinha de San Telmo, mas como a nossa noite anterior terminou de manhã, quase perdemos o horário da feira (que termina às 18h). Chegamos bem no final, mas deu para aproveitar bastante coisa, tirar foto com a Mafalda que fica sentada em um banquinho e também de comprar mais uma lembrancinha para a nossa casa. Lanchamos no Burger King ( Ok, nos rendemos!) Como estávamos cansados, acabamos não tendo muito pique de conhecer muitas coisas e acabamos indo jantar / lanchar no Brujas, da Praça Serrano (já tínhamos ido lá em 2010 e voltamos por preguiça de pesquisar outro lugar). Adivinhem o que comi?! Pizza, claro! Não sei o motivo para o vício da pizza ter entrado em mim nos países da carne! Vai entender, né?!
Mafaldinha
 10 – Buenos Aires: Resolvemos conhecer Buenos Aires a pé. Já tínhamos feito o City Tour da última vez em que estivemos lá. Começamos o dia com o Teatro Colón, (lindo! lindo!) sem falar na guia que era uma figura!! Depois descobrimos que tinha o museu dos Beatles por ali. Andamos, andamos e conseguimos encontrar. O shopping que fica o museu é um dos mais fofinhos de todos os que fomos e dentro do tal  museus dos Beatles (que é de um cara com uma das maiores coleções de coisas do/sobre o grupo que mais amo no mundo!!! Chorei!!) tinha muita coisa linda que eu queria levar para casa. Almoçamos em um restaurante qualquer que descobrimos pelo caminho. Não foi também uma grande coisa (comi purê com frango… sem graça toda vida!).  Decidimos caminhar mais e fomos de lá até Recoleta. Delicioso descobrir ruas arborizadas e lojinhas incríveis pelo caminho. Nosso destino em Recoleta foi a sorveteria Freddo – (delícia, delícia… assim você me mata!!) e de lá seguimos a pé mais um pouquinho. Descobrimos uma linda (e velha, em reforma, capenga, mas linda!) faculdade de engenharia. Como não tínhamos horário ( e estávamos sem lenço e sem documento), resolvemos entrar. Passamos por algumas aulas, corredores, alunos e tiramos fotos. Já mortos de cansados, pegamos um táxi para o nosso hotel. Bom, o que fazer em uma segunda-feira na noite de Buenos Aires?! Adivinhem… Claro! Mais uma vez Praça serrano! Mas para variar, mudamos o barzinho (e eu larguei a pizza!). Dessa vez fomos no Crónico Bar. Bem mais cheio, com petiscos gostosinhos e uma Quilmes (gelada, deliciosa, um litro!!!!!) para biritar… Ficamos vendo um jogo de futebol. Foi uma boa maneira de terminar mais uma noite portenha.
Barzinho Recoleta
11 – Buenos Aires: Quase finalzinho da viagem (para nossa tristeza!!!). Acordamos bem cedo (mas não tão cedo assim, pois perdemos o horário!) e fomos para o Centro para pegar o ônibus (Fabebus) que levava ao zoo de Lujan. Inacreditável a experiência nesse zoo, mas triste também (fiquei morrendo de pena dos bichinhos que vivem para tirar foto com pessoas como nós, que querem mostrar para os outros como somos corajosos e abraçamos um leão!). Sério! É fofo, mas muito triste!! Não que ache que os bichinhos são tratados de maneira precária. Pelo contrário, dava para sentir (pelo menos espero que minha sensação seja real) que os treinadores amam aqueles bichos. Mas deu pena de imaginar que os animais além de presos, só vivem para tirar fotos. Imaginem que saco!!! Bom, depois de passar metade do dia lá, voltamos para o centro, almoçamos em mais um restaurante qualquer (sim! Não tivemos boas escolhas na hora de comer na Argentina!) e voltamos para o hotel. Para a noite de terça, mais um evento PERFEITO! Empanadas argentinas feitas por outro grande amigo argentino!!! BOM DEMAIS(quero mais empanadas!!!!!)!!!
 Lujan Tigre Lujan lindo Lujan Tigrinho Lujan

Buenos Aires Empanadas

12 – Buenos Aires: Dia dos namorados na cidade do tango, mas não foi para o Tango que fomos. Começamos o dia com mais um passeio que estávamos loucos para fazer: Conhecer o estádio do River (da última vez tínhamos conhecido apenas o do Boca). Sensacional, imperdível e ganhará uma postagem só para ele. Depois, almoçamos em um restaurante em Recoleta (e confirmamos que não estávamos com o menor jeito para escolher restaurantes em Buenos Aires). Sentamos em um restaurante com cara de Outback que produz a sua própria cerveja (bom, se produz a própria cerveja aqui, deve ter uma carne boa, né?! Que pensamento foi esse?! Acho que era o cansaço de fim de viagem!). A carne era bem fraquinha, ruinzinha e nem macia era. Mas isso não estragou o nosso dia dos namorados. Não mesmo! Seguindo a dica do meu amigo argentino, fomos no Centro de Cultura de Recoleta e compramos um ingresso para … Tango?! Não!!!! Para um espetáculo / show/ teatro/ musical (?!) chamado Fuerza Bruta. Foi uma experiência louca, linda, demais!!! Os caras já se apresentaram em vários lugares do mundo e arrasam!! Para fechar com chave de ouro, largamos a Praça Serrano e sentamos em um barzinho – em meio a tantos outros – em Recoleta. Jantarzinho com direito a velinhas na mesa e musiquinhas anos 80. Bom demais!!

Museu do River

Fuerza Bruta

 13 – Estamos indo de volta pra casa. =( E assim terminamos nossa lua de mel / passeio / visitas! Com a sensação de que queremos voltar muitas outras vezes nesses países vizinhos e que nos recebem tão bem. Roteiro gigante, mas resumido. E ainda vem muito mais roteiros por aí… Aguardem!
Veja mais posts sobre Argentina Buenos Aires Colônia Montevidéu Punta Uruguai