21 de Setembro de 2016

Meus Votos de casamento




Estava dando uma limpa no meu e-mail e acabei encontrando meus votos de casamento. Ah, deu uma saudade tão grande daquele dia tão lindo! Sabe, nesse momento, depois de tantas separações que assustaram as pessoas (Fátima e Bonner e Brad e Angelina), fico pensando sobre o amor. Muitas pessoas acham que existe o casal perfeito e não é bem assim que funciona. Casamento não é um conto de fadas, mas pode chegar perto disso se tanto o homem quanto a mulher resolverem que assim deve ser. Uma história feliz não acontece como mágica. É necessário companheirismo, amor, cumplicidade, amizade, respeito, vontade e é importante que os dois se conheçam muito bem, para que o carinho e a admiração estejam sempre presentes.

Então, como espalhar o amor nunca é demais, resolvi compartilhar aqui com vocês os meus votos. Quem ainda não leu ou não viu, que sirva de inspiração para o amor. =)

Votos casamento

30 de maio de 2013

 No dia da cerimônia, acabei mudando umas coisinhas para que não ficasse tão longo. Se você ainda não viu e quiser ver como ficou meus votos de casamento, é só assistir!

Ah, também tem os votos de casamento do Vi. Quer ver?

E se você não sabe como a nossa história começou, contei tudo aqui. 

 

 

Veja mais posts sobreamor casamento casar namoro relacionamento relacionamentos vida a dois votos casamento
13 de Agosto de 2016

A culpa é dele ou sua?

Quem nunca se pegou sofrendo, tentando entender o motivo de nada dar certo, de suas relações amorosas não irem nunca para frente? “O que está errado nos homens?” ou “O que está errado nas mulheres?”. Será que a culpa é sempre do outro? Será que você nunca pensou que a culpa pode ser toda sua?

Fim relacionamento

Conheci o meu marido com 16 anos. Naquela época, eu era completamente insegura, ciumenta, chata. Quando as coisas não iam bem, sempre escrevia cartinha falando para o Vi – meu Deus, quando releio essas cartas vejo o quanto ele era um santo de ter me aturado por cinco anos na primeira fase do nosso namoro!!! – tudo o que estava errado nele. Apontava o dedo para dizer que ele não ligava tanto para mim, que não dizia mil vezes ao dia que me amava, que dava mais confiança para os amigos dele do que para mim, que falava “oi” para as amigas da turma dele, quando na verdade não tinha que olhar para elas… E por aí vai.

Era o meu primeiro namorado, eu ainda estava descobrindo todos os sentimentos que nem mesmo sabia que existiam. Com o passar do tempo, até melhorei em uma ou outra coisa, mas ainda assim, era uma mala sem alça. Quando terminamos o namoro, não sabia ser sozinha. Afinal, comecei a namorar no início da adolescência, não tinha feito muitas coisas antes dele e passei aqueles cinco anos sempre com ele, sempre tendo o Vi ao meu lado, segurando a minha mão, indo comigo para todos os lados.

Não fiquei muito tempo sozinha e logo comecei a namorar de novo. Os sentimentos eram outros e eu já não era como antes, mas ainda precisava ter alguém ao meu lado para ser feliz. Depois de mais três anos acompanhada, vi que estava com alguém do meu lado apenas para não ser sozinha. Não que aquele relacionamento fosse ruim, apenas não era o certo para mim. Sabe quando nada combina? Mas você insiste, porque é muito melhor ter alguém ao seu lado para ver um filme, para viajar do que não ter ninguém. Será?

Um dia, resolvi que não valia a pena perder o nosso tempo juntos, quando existia um mundo de possibilidades separados. Passei a sentir como se o tempo estivesse correndo e eu estivesse parada. Era um relacionamento legal, mas sem os frios na barriga, sem aquela vontade louca de estar juntos, sem aquela sensação de que é o chinelo velho para o pé cansado, sabe? E aí eu fiquei sozinha.

No início foi estranho. Depois de quase dez anos de relacionamentos, não sabia exatamente quem eu era, o que eu realmente gostava, quem eu queria ser. Até aquele momento, não tinha necessidade de tomar decisões sem mais ninguém para opinar no que eu escolhesse fazer. Não tinha mais que perguntar para outra pessoa se ela queria, topava, gostaria e por aí vai. Era apenas eu.

Foi difícil? No início, sim. Era estranho não ter ninguém para dar boa noite, bom dia, para perguntar como tinha sido o dia da pessoa ou para dividir alguma coisa muito boa ou muito ruim. Não tinha mais ninguém para dividir aquele prato cheio do restaurante, a pipoca do cinema ou para assistir a um filme, deitada com edredom em casa.

Mas aí o tempo foi passando e eu fui me conhecendo melhor. Passei a entender tudo aquilo que me irritava, me deixava alegre, me fazia sofrer. Fiz novos amigos, dancei músicas que nunca tinha dançado antes, fiz um monte de burradas, meti os pés pelas mãos e até encarei uma noitada sozinha em Búzios. Queria saber como era ser sozinha, como era me divertir tendo apenas a minha companhia. E assim, quebrando a cara, encarando a vida, buscando viver ao invés de ficar trancada em casa foi que eu fui crescendo e amadurecendo.

Naquela época eu fui construindo e entendendo mais quem era a Fernanda. Passei a ser mais segura na questão do coração, comecei a compreender o que eu realmente queria para mim e para a minha vida. Não ficava buscando um novo amor, nem desesperada para achar um namorado. Quando eu e Vinicius resolvemos ficar juntos, tudo foi diferente da primeira fase do nosso namoro – menos o amor, que continuou tão forte como antes. =)

Quando a gente se conhece bem, passamos a entender que nem sempre a culpa é do outro. Passamos a não colocar o outro em primeiro lugar. Sabe aquela história do avião? Quando eles falam que em caso de emergência você deve colocar primeiro a sua máscara para depois ajudar o outro? Isso acontece, pois você só consegue ajudar quem estiver ao seu lado se você estiver bem.

Então, não adianta você ficar totalmente desesperado atrás de alguém feito para você quando nem você mesmo se conhece. Antes de querer achar alguém para a vida inteira, o melhor é aprender a ser feliz apenas com a sua companhia. Assim, você não vai jogar todas as suas frustrações e desejos no colo do primeiro cara que você encontrar. Não vai assustar o garoto ou a garota com cobranças no início do relacionamento.

Antes de dizer que nada dá certo, que só aparece a pessoa errada na sua vida, cuide primeiro de você, do seu coração, do seu ego. Antes de amar o outro, você deve se amar em primeiro lugar, deve saber o seu valor, o quanto você é legal, bonita, feliz. Dessa maneira, o relacionamento passa a ser muito mais leve, muito mais divertido.

Você não tem que precisar de outra pessoa para ser feliz, para se sentir completa. Você tem que ser completa por você mesma e quando encontrar alguém realmente especial, essa outra pessoa vai somar e compartilhar na sua vida. Não espere mudanças da outra pessoa. Se alguma coisa está “errada”, provavelmente quem precisa mudar é você. Ou se amando mais, entendendo o que está te faltando, compreendendo o valor que você tem ou desistindo do relacionamento se ele não tem mais nada a acrescentar.

Quando você vive com medo de perder, quando acha que o outro está fazendo tudo errado e que precisa mudar um milhão de coisas para fazer dar certo, quando você depende dele para ser feliz… A culpa não é dele, posso te garantir que a culpa é toda sua. Somente quando você aprender a ser feliz sozinha é que você vai conseguir ser ainda mais feliz com alguém. Enquanto não entender isso, vai pingar de relacionamento em relacionamento, sempre com alguém que não vale a pena, apenas por medo de ficar só.

Veja mais posts sobre amor culpa felicidade namoro relacionamento separação sozinha