20 de Outubro de 2015

Vamos falar de @mor? – Opinião antiga! =)

Sabe quando um livro te marca de um jeito meio inesperado? Foi isso o que aconteceu comigo. @mor, do autor Daniel Glattauer, me deixou encantada, refletindo sobre muitas e muitas coisas e com aquela cara de boba na última página (na verdade, em várias páginas). É um daqueles romances que por vários momentos chega a te tirar o ar, o tipo que faz com que você sinta aquele frio na barriga, sabe?!
Já vi algumas pessoas dizendo que não gostaram, que acharam o livro uma porcaria. Bom, como disse para algumas amigas, acho que gosto não se discute. Não adianta. Cada um pensa de uma forma, tem seus valores, suas crenças, seus prazeres, suas experiências e suas paixões.
Esse livro do Daniel me lembrou tantas conversas que já tive com minhas melhores amigas em vários momentos da vida. Me lembrou a velha história da adrenalina que sempre buscamos para deixar tudo mais emocionante, mais gostoso. Também me fez recordar outras conversas, outras pessoas e momentos. Caramba! Esse livro me despertou tanta coisa! E olha que são e-mails, apenas e-mails trocados entre um homem e uma mulher. Curiosidade?! Vontade de ler a conversa alheia? Essa pode ser uma das coisas que atrai, mas para mim esses simples e-mails foram muito mais além.
capa amor.indd
Refleti sobre como pessoas que possuem uma vida plena, legal, com tudo aquilo que todos sonham em encontrar, podem ainda assim querer mais. Será que nunca estamos satisfeitos com o que temos? A grama do vizinho é realmente sempre mais verde?
E será que é sempre isso?! Ou tudo também pode ser obra do destino?! Por que um e-mail errado pode levar a tantas outras consequências?! Acho que não podemos simplesmente generalizar acontecimentos e atitudes. Existem casos e casos. Vidas e vidas.
Pensei em quantas pessoas fazem escolhas erradas, em quantas pessoas simplesmente não fazem escolhas. Imaginei quantos (poucos!) Bernhard existem por aí e senti um aperto no coração por todos eles. Pessoas que amam tanto o outro, que são capazes de suportar situações pra lá de complicadas apostando ainda naquele amor.
Parece que esse livro juntou em 184 páginas de e-mails muitas das reflexões que fiz ao longo de experiências minhas, de amigas bem próximas e da vida. Adoro livros que fazem com que eu fique pensando, pensando e pensando sobre os personagens.
Imaginei quantas pessoas possuem um “Léo” ou uma “Emmi” em alguns momentos da vida e quantos têm a coragem de se mostrar, de tornar uma fantasia em algo real, de mudarem de caminho. Será que essas pessoas existem? Será que foram felizes? Ou quando a fantasia passa para o real tudo acaba indo para o ralo? E não para por aí. As páginas e páginas de e-mails trazem reflexões sobre muitas e muitas coisas – pequenas e grandes.
E além de tudo isso, ainda dá uma vontade enorme de beber um vinho no final! Quem não fica?! Ah, Léo… Ah, Emmi! Obrigada, Daniel Glattauer por uma leitura tão gostosa, por me presentear com tantas sensações!
O livro pode ser “simples”, mas quando alguma coisa fala de amor, qualquer que seja ele, de uma maneira tão verdadeira quanto essa, por mais simples que seja, acredito que não é possível ler apenas superficialmente. Nas entrelinhas existe muita reflexão. Essas são apenas algumas, mas podem ter a certeza de que vai muito além disso. E vocês, o que acharam de @mor?
Veja mais posts sobre@mor livros resenha